19/07/2024
Polícia

Playboys da batida, alvos da Polícia Civil, faturaram R$ 2 milhões destruindo carrões de luxo

Por Carlos Carone e Mirelle Pinheiro, do portal Metrópoles

Nas primeiras horas desta segunda-feira (18/9), a Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) desencadeou megaoperação para desmantelar organização criminosa especializada em simular acidentes de trânsito e destruir carros de luxo para receber altos valores de indenização pagos por seguradoras. A ação, coordenada pela 18ª Delegacia de Polícia (Brazlândia), cumpre seis mandados de prisão temporária, além do sequestro de 20 veículos e o bloqueio de R$ 2 milhões das contas dos investigados.

Estruturado, o grupo criminoso era formado por um empresário, uma advogada, um ex-policial militar do DF, a mulher do PM e outros dois integrantes. O bando, de acordo com as investigações, faturou pelo menos R$ 2 milhões forjando acidentes violentos com perda total dos veículos para embolsar o dinheiro do seguro. Atuando desde 2015, a organização criminosa simulou 12 acidentes e destruiu 25 veículos de luxo de montadoras como Porsche, Audi, BMW, Mercedes e Volvo.

Os cabeças do esquema torravam o valor das apólices em viagens internacionais para os destinos mais caros do mundo, tanto na Europa quanto na Ásia e no Oriente Médio. Parte da grana era reinvestida pelos “playboys da batida” na compra de outros carros, que, novamente, seriam destruídos em colisões frontais que impossibilitassem o conserto dos veículos. Os acidentes forjados ocorreram nas cidades de Brazlândia, Taguatinga, Ceilândia, Samambaia, Vicente Pires e Brasília.

Fábrica de acidentes

A organização criminosa tinha um modus operandi definido no momento de comprar um determinado carro, circular com ele por alguns meses e depois planejar a colisão. As batidas sempre ocorriam em locais ermos e escuros, para dificultar a presença de testemunhas. Os integrantes do esquema adquiriam veículos importados de certo tempo de uso e de difícil comercialização, alguns ainda avariados.

Os investigadores descobriram que os veículos eram consertados e, logo depois, os criminosos contratavam seguros, sempre com valor de indenização correspondente a 100% da tabela Fipe, muito superior ao valor de aquisição e conserto dos carros. Para driblar o mercado segurador e dificultar a descoberta de vínculos criminosos, o bando se revezava na condição de proprietário, contratante do seguro, condutor, terceiro envolvido no acidente e recebedor da indenização, às vezes via procuração.

Da mesma forma, para dificultar a apuração policial, os membros da organização criminosa registravam as ocorrências dos acidentes por meio da Delegacia Eletrônica, afastando questionamentos da polícia judiciária sobre as circunstâncias dos supostos acidentes. Em seguida, o bando dava entrada no processo para o recebimento da indenização do seguro, sempre com base na tabela Fipe.

Viagens e curtição

A Polícia Civil não confirmou a identidade dos seis alvos da operação. No entanto, a coluna descobriu quem são os líderes da organização criminosa. Um dos chefes do esquema é o empresário Glauber Henrique Lucas de Oliveira. Nas redes sociais, ele coleciona uma rotina de viagens internacionais que retrata o lucro amealhado com os acidentes forjados.

O empresário e a mulher dele — a advogada também presa na operação — costumam viajar para capitais europeias, como Roma, Paris e Madri. Estadias em belas estações de esqui pelo mundo ou em resorts paradisíacos à beira-mar também costumam figurar no roteiro dos criminosos. A ostentação é exposta em fotos e vídeos no Instagram.

Outro cabeça da organização criminosa é o ex-policial militar Rosemberg de Freitas Silva. Ele foi expulso da PMDF por causa da emissão de 150 cheques sem fundos. Os veículos em nome do ex-militar chamam a atenção pelos altos valores. A coluna apurou que Rosemberg é dono de duas Porsches Cayenne, uma moto BMW R1250 e outra Honda PCX, além de três carros de menor valor, como um Honda Fit e um Hyundai HB20.

Fonte: Metrópoles

Alerj

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *