Renúncia Fiscal: Alô governador!

Opinião:

Conforme publicamos aqui no jornal online Tribuna NF em diversas matérias, o governador do Estado do Rio de Janeiro Wilson Witzel começou a cortar as renúncias fiscais da época em que o estado era comandado pelo quadrilhão do PMDB.

*Governo do RJ suspende benefícios fiscais de joalherias 

*Estado revoga benefícios fiscais da BRF e Petrobras

Já foram a Petrobras, BRF e joalherias.

Mas a relação ainda é muito maior. Para quem não sabe o ICMS que é pago na conta de energia elétrica não é repassado ao estado desde a época de Sérgio Cabral. Começou com a Ampla e continua com a Enel.

O escândalo já foi denunciado aqui, mas ainda não se tem notícia de que o ICMS da conta do consumidor esteja indo para os cofres do estado.

Essas observações devem ser trazidas a público porque as renúncias fiscais ao longo dos anos vêm retirando arrecadação do estado impossibilitando que a população tenha serviços públicos de qualidade.

Para você saber a diferença entre Rio e São Paulo basta que veja uma viatura de polícia de um estado e outro.

Nesse ponto parece que o governador do estado do Rio está tocando no ponto principal da administração que é a recuperação da arrecadação, até porque sem dinheiro ninguém faz nada.

Confira algumas denúncias sobre a renúncia fiscal nos links:

*Witzel terá que enfrentar a máfia da renúncia fiscal do Estado do Rio de Janeiro

*Para onde foi o dinheiro do Estado do Rio de Janeiro – Farra fiscal que continua

*Joaquim Levy vai ser presidente do BNDES no governo Bolsonaro; ele foi ministro da Fazenda de Dilma e o secretário de Fazenda do Rio responsável por renúncia fiscal

De sua opinião