Cabral vira réu acusado de lavar dinheiro através de rede de restaurantes japoneses

O ex-governador do Rio virou réu na tarde desta terça-feira (30) acusado de lavagem de dinheiro através de uma rede de restaurantes japoneses. Segundo a denúncia do Ministério Público Federal, o ex-governador, sua mulher Adriana Ancelmo e outros dois réus participavam do esquema.

É a 26ª vez que Cabral vira réu. O ex-governador está preso desde novembro de 2016.

Segundo a denúncia, aceita pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal, o grupo ocultou por 16 oportunidades distintas durante 18 de dezembro de 2014 e 13 de setembro de 2016 “a origem, natureza, disposição, movimentação” de R$ 3,1 milhões.

O esquema, segundo a denúncia tinha “como propósito distanciar ainda mais o dinheiro de sua origem ilícita, eis que derivado de crimes de corrupção praticados pela organização criminosa chefiada” por Sérgio Cabral, mediante a emissão de notas fiscais falsas, relativas à prestação de serviços advocatícios inexistentes do escritório de Adriana Ancelmo para o restaurante Manekineko.

Também são acusados pelo crime no processo Thiago Aragão Gonçalves Pereira e Silva e Ítalo Garritano Barros.

G1*

De sua opinião