VLT do Rio: Crivella afirma que prefeitura foi assaltada no contrato

O prefeito da cidade do Rio de Janeiro Marcelo Crivella afirmou em entrevista concedida ao programa do ex-governador Garotinho, o “Fala Garotinho”, que foi ao ar pela rádio Tupi no último sábado, no horário de 6h às 8h da manha, que o governo do Rio foi assaltado no contrato realizado na gestão Eduardo Paes do VLT.

Segundo Crivella, a prefeitura ficou obrigada a pagar R$ 500 milhões ao BNDES, divida essa feita por um grupo de empresários ligados a Fetranspor e outras empresas envolvidas na Lava Jato.

Além da prefeitura, o governo federal concedeu a fundo perdido R$ 700 milhões para o projeto do VLT, sem qualquer contrapartida.

Mas o ponto mais risível da relação jurídica criada pela administração de Eduardo Paes é que a prefeitura ficou obrigada a pagar por uma demanda de passageiros do VLT, ainda que esses não sejam transportados.

Para quem conhece o assunto essa é uma fonte de custeio invertida.

É que a constituição do estado do Rio prevê a fonte de custeio para pagamento de passagens de ônibus, trens e metrôs, mas o critério de pagamento é pelo passageiro transportado.

Se esse contrato não levar todo mundo para a cadeia realmente a impunidade impera no Brasil.

Existe ainda o fato de que esse contrato quando foi realizada a operação Lava Jato estava a todo vapor. Isso prova que o quadrilhão do PMDB não pretende parar nunca.

Para ilustrar a publicação segue o áudio de parte da entrevista onde o prefeito Crivella revela que o município do Rio foi assaltado.

De sua opinião