Polícia Civil do Rio prende 8 em operação contra fraudes bancárias

A Polícia Civil do RJ prendeu nesta quinta-feira (4) 8 pessoas na Operação Veritas, contra fraudes bancárias. Segundo as investigações, a quadrilha interceptava folhas de cheques e clonava cartões de crédito de clientes em todo o país.

Eduardo da Costa Ferreira, o Frango, apontado como o chefe da quadrilha, foi preso em casa, em Camboinhas, em Niterói. Um sargento da Polícia Militar também foi pego.

A polícia estima que o bando movimentou ao menos R$ 13 milhões nos últimos meses, ora compensando cheques, ora fazendo transações em máquinas de cartões dos próprios fraudadores, em benefício de empresas de fachada. O dinheiro desviado era gasto em itens de luxo, como carros.

Equipes da Delegacia de Combate às Organizações Criminosas e à Lavagem de Dinheiro saíram para cumprir 15 mandados de prisão e 16 de busca e apreensão. Um capitão da PM e um policial civil, além de funcionários de instituições financeiras, como gerentes, eram procurados.

O juiz Marcelo Rubioli, da 1ª Vara Criminal Especializada determinou ainda o sequestro de bens móveis e imóveis e o bloqueio de contas dos envolvidos e expediu mais um mandado de prisão domiciliar de uma das indiciadas, fora os mandados de prisão.

As investigações duraram mais de um ano.

Assinaturas falsificadas e telefones clonados

Nas fraudes com cheques, os criminosos interceptavam talões pelo correio, falsificavam a assinatura dos titulares e compensavam valores altos.

“Nessa fase, eles ainda clonavam o telefone da vítima para que, no momento da confirmação dos dados para a compensação por parte do banco, outros integrantes da quadrilha se passassem pelo cliente”, explicou o delegado Gabriel Poiava, responsável pelas investigações.

“Para justificar a movimentação de altas quantias, eles diziam que estavam adquirindo terrenos. Com a transação efetuada, os valores eram direcionados a contas de terceiros”, detalhou.

No ano passado, por exemplo, uma vítima procurou a polícia de Minas Gerais para comunicar uma compensação fraudulenta de quase R$ 500 mil de sua conta. Valores retidos em contas de pessoas mortas também eram alvo da quadrilha.

Transações fantasmas

A outra modalidade de fraude era com cartões de crédito clonados. “Esses cartões eram utilizados em máquinas de propriedade da quadrilha e a favor de empresas ligadas ao grupo, simulando transações comerciais inexistentes”, disse Poiava.

“Nos dois casos, gerentes e funcionários de instituições financeiras eram cooptados para o repasse de informações sigilosas de clientes”, complementou o delegado.

O bando contava ainda com os serviços de policiais que agiam como braço armado da organização no transporte de elevadas quantias e buscavam informações oficiais e sigilosas de vítimas.

G1*

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *