Audiência pública sobre pacientes renais de Campos

A atenção ao paciente renal crônico no município foi discutida em audiência pública nesta quinta-feira (16), na Câmara Municipal de Campos dos Goytacazes. Realizada por requerimento do vereador Igor Pereira (Solidariedade), que presidiu a mesa, o evento discutiu também a criação do núcleo de atendimento ao paciente renal crônico.

Compuseram a mesa o vereador Abdu Neme (Avante); a presidente da Associação Amigos do Rim, Graice Vasconcelos; e o diretor da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), Bruno Calil.

O diretor da Santa Casa, Cléber Glória, iniciou as discussões agradecendo pelo convite e destacando a importância do debate sobre o assunto. Ele apontou que a Santa Casa atua no atendimento aos pacientes renais crônicos, que são tratados até que o Estado disponibilize a vaga de diálise clínica ambulatorial.

“Nós elaboramos um projeto de trazer para Campos, para a Santa Casa, um Centro de Transplante Renal. Já iniciamos o processo, que leva um tempo. A gente já tem uma estrutura física pronta para receber esse projeto, temos equipe formada, cirurgiões preparados para realizar e equipe de nefrologia preparada para esse suporte”, afirmou.

Presidente da Associação Amigos do Rim, Graice Vasconcelos apresentou o trabalho da instituição que é uma entidade filantrópica sem fins lucrativos, fundada em 2010. “Nosso trabalho é todo voluntário, nossa equipe é voluntária e nós não temos nenhum tipo de verba pública ou privada. Nós temos, hoje, registrados na Associação, 638 pacientes”, explicou, destacando também o suporte aos familiares.

A paciente renal Priscilla Custódio contou a própria experiência durante 12 anos realizando diálise, abordando os desafios da falta de recursos, dificuldade de transporte e de consultas com médicos das diversas especialidades necessárias ao acompanhamento, além da falta de medicação.

“O acesso ao transplante também é muito difícil. O paciente renal vai para o Rio, tem uma série de exames a serem feitos e o paciente vem para Campos e não consegue fazer os exames. Quando ele consegue fazer o último exame e retorna ao Rio, já tem que fazer os exames de novo porque tem um período para valer, para continuar na fila”, disse.

Amaro da Conceição e Anderson Bittencourt, ambos pacientes renais, também tiveram oportunidade de discursar e contar as respectivas experiências.

A diretora de Auditoria, Controle e Avaliação da Secretaria Municipal de Saúde, Bruna Araújo, falou das dificuldades do SUS. “Precisamos buscar alternativas para que aquele serviço chegue a quem mais precisa e para que nós possamos cada vez mais implantar políticas de prevenção à saúde da população”, disse. Ela também abordou os desafios da logística de atendimento e transporte dos pacientes.

Participaram também o servidor da Defensoria Pública, Lucas Martins; o diretor da UPA, Bruno Calil; os vereadores Abdu Neme (Avante), Rogério Matoso (DEM) e Helinho Nahim (PTC).

Concluindo a audiência, o vereador Igor Pereira ressaltou a necessidade de união. “É disso que nós precisamos. De diálogo, de união, precisamos dar as mãos pelo povo de Campos, pelos pacientes renais crônicos. Eu tenho certeza que o dia de hoje foi muito produtivo”, afirmou, destacando os projetos já protocolados, sendo que um deles autoriza o Poder Executivo criar o centro de atenção ao paciente renal crônico.

Ascom*

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *