Witzel afirma ‘não ter bandido de estimação’ e que ‘provavelmente’ vai exonerar presidente da Suderj

O governador do RJ, Wilson Witzel (PSC), afirmou nesta quarta-feira (31) que “provavelmente” vai exonerar o presidente da Suderj, Marcelo da Fonseca Salgado.

“Não tenho bandido de estimação. Hoje ou amanhã, provavelmente ele será exonerado.”

Como a GloboNews tem mostrado esta semana, a superintendência, responsável pela gestão de cinco equipamentos esportivos, assinou dois contratos emergenciais suspeitos.

Os dois acordos somam R$ 2,2 milhões e se referem a serviços de limpeza e de portaria para as unidades.

Witzel disse ainda que não descarta realizar uma intervenção na superintendência, após conversar com o secretário estadual de Esportes, Felipe Bornier.

“Perguntei se o secretário sabia que ele estava agindo dessa forma, ele disse que não, que se sente ‘traído’”, relatou.

“Vou determinar a imediata exoneração do presidente da Suderj e, se for o caso, fazer a intervenção pela Controladoria-Geral do estado”, afirmou o governador, após cerimônia de entrega de viaturas para as polícias civil e militar na Glória, Zona Sul do Rio.

Daniel de Oliveira em sua barraquinha de frutas, no Engenho de Dentro — Foto: Reprodução/GloboNews
Daniel de Oliveira em sua barraquinha de frutas, no Engenho de Dentro — Foto: Reprodução/GloboNews

Entenda o caso

A GloboNews localizou os responsáveis pelas duas empresas com que a Suderj firmou contrato.

Daniel de Oliveira Pedrosa, de 25 anos, foi encontrado vendendo frutas em uma barraca improvisada no Engenho de Dentro. Ele admitiu ser dono da Clarity Rio, que recebeu R$ 1,7 milhão de forma emergencial para cuidar da limpeza dos espaços da Suderj.

Alexandre Jorge Santos da Silva, de 46 anos, é gráfico e consta como dono da Cristal Rio. Por R$ 570 mil, a empresa forneceria porteiros para as unidades.

Ambos os contratos foram questionados por órgãos do RJ, como a Procuradoria-Geral, a Controladoria-Geral e o Tribunal de Contas.

Nomeações

O secretário estadual de Esportes é filho de Nelson Bornier, que já foi três vezes prefeito de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

Nas eleições de 2018, Felipe Bornier tentou uma vaga na Câmara dos Deputados pela quarta vez consecutiva, mas não se reelegeu com os pouco menos de 19 mil votos obtidos.

Ele recebeu cerca de R$ 70 mil em doações da campanha do então candidato a governador do Rio Wilson Witzel.

Ainda em dezembro de 2018, foi anunciado como secretário de esportes do Governo Witzel. Bornier indicou Marcelo da Fonseca Salgado para a presidência da Suderj.

G1*

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *