Shell, Mitsubishi e grupo Pátria anunciam investimentos em Macaé

Imagens aéreas. Macaé/RJ. Data: 14/11/2014. Foto: Rui Porto Filho / Prefeitura de Macaé

A Shell, a Mitsubishi e o grupo Pátria Investimentos confirmaram a tendência de crescimento econômico de Macaé para os próximos anos ao anunciarem a construção e operação da usina termelétrica Marlim Azul no município, com capacidade de 565 megawatts (MW). O gás natural será disponibilizado pela Shell. O Pátria terá 50,1% do empreendimento, a Shell terá 29,9% e a Mitsubishi, 20%. O investimento será de US$ 700 milhões e no auge da construção da planta, o número de empregos diretos criados poderá chegar a 1,5 mil.

A usina Marlim Azul foi o primeiro projeto vencedor dos leilões de energia com gás do pré-sal brasileiro, com um dos custos variáveis unitários (CVU) mais competitivos entre as usinas a gás. A planta entrará em operação em 2022, disponibilizando ainda energia adicional a ser vendida no mercado livre.

A aceleração do desenvolvimento econômico em Macaé ganhou força nos últimos meses com o avanço também de cinco projetos: aeroporto, porto, lei de incentivo, Transportuária e Santa Tereza, além da realização dos últimos leilões do pré e do pós-sal. “Essas ações vão permitir que seja devolvido o emprego de cerca de 40 mil pessoas, 20% da população macaense. Macaé é a maior base operacional de indústria de óleo e gás do país e, por isso, o município tem o desafio de promover a geração de empregos”, comentou o prefeito Dr. Aluizio.

PORTO – O governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, incluiu o Terminal Portuário de Macaé (Tepor) nas prioridades da sua gestão para o primeiro semestre. O projeto inclui um Terminal de Armazenamento de Petróleo, um Terminal de Armazenamento de Combustíveis e uma Unidade de Processamento de Gás Natural (UPGN). A expectativa é que o Tepor receba a primeira licença de instalação, que permite a realização efetiva das obras, até junho de 2019.

A operação do porto vai aumentar a participação de Macaé no arranjo nacional de petróleo e gás, evitando que essa demanda se direcione para outros municípios ou regiões do país, além de fomentar a diversificação de investimentos, atraindo indústrias de transformação para a retroárea terciária do Tepor.

AEROPORTO – Já o aeroporto está entre as 12 unidades do país que tiveram sua concessão aprovada pelo Programa de Parcerias de Investimento (PPI), com a definição de regras do leilão de três blocos. O bloco Sudeste inclui o Aeroporto de Macaé e Vitória (ES). O prazo de concessão é de 30 anos.

As obras de reforma estrutural da pista do aeroporto vão garantir o aumento do PCN (Paviment Classification Number), que permitirá o retorno dos voos comerciais, através da operação de aeronaves que trafegam hoje nas rotas aéreas regionais. Os trechos em reforma irão ampliar a referência de resistência da pista para ATR 72 (70 passageiros), com previsão de entrega para o primeiro trimestre de 2019. A expectativa é liberar a pista para operação e o processo de certificação pela Agência Nacional de Aviação Civil irá acontecer em paralelo.

O turismo de lazer também será beneficiado com a ampliação do aeroporto, possibilitando que mais turistas cheguem à cidade, que está na categoria A do Ministério do Turismo (MTur).

A sessão pública do leilão está marcada para o dia 15 de março, na sede da Bolsa de Valores de São Paulo.

Avança Macaé amplia investimentos

Ambos projetos de logística estão ligados ao Projeto Avança Macaé (Lei Complementar 03/2018), lançado pelo prefeito Dr. Aluizio em dezembro com o objetivo de garantir a injeção de novos recursos e investimentos nas atividades do município.

O projeto prevê que a iniciativa privada realize investimentos em execução de obras de infraestrutura e outros serviços públicos, com a dedução de taxas, impostos e outros tributos municipais. Além de aumentar a oferta de equipamentos públicos, o projeto diversifica seu arranjo produtivo, permanecendo no petróleo e gás e expandindo para outros setores.

A construção da Rodovia Transportuária, ligando o Tepor à RJ-168, saída da cidade para a BR-101 e da Estrada de Santa Tereza, vão dar suporte aos novos investimentos que virão para Macaé com o programa de incentivo e o novo posicionamento do município na economia nacional, puxado também pelas rodadas de licitações do pré e do pós-sal. A 6ª rodada de pré-sal está marcada para novembro. Há previsão ainda que a 7ª e 8ª rodadas do pré-sal ocorram em 2020 e 2021.

Fonte: Ascom

De sua opinião