O olho grande de Pezão

Opinião:

Como já muitas vezes debatido nesse site quando acontecem às prisões da Lava Jato cai o véu daqueles patrocinadores, executores, distribuidores, enfim todos aqueles que participam direta ou indiretamente do crime.

A cadeia todo mundo sabe que é certo, mas o que deixa alguns revoltados são os critérios de cobrança e distribuição de vantagens indevidas, também conhecidas como propina.

Segundo a Polícia e o Ministério Público, Pezão era muito olho grande. Ele saiu dos 5% que Cabral cobrava de vantagens indevidas pelas obras e subiu para 8%.

É provável que os 3% seja pelo elevado risco de prisão diante dos desdobramentos da Lava Jato.

Mas Pezão tinha uma característica diferente de Cabral. Ele não ostentava e fazia o estilo de um governador do interior matuto. Achou que isso poderia diminuir o risco de prisão.

Mas três coisas ele tinha maior do que Cabral: os pés, os olhos e as mãos.

Agora é aguardar a delação do operador de Pezão, substituto de Carlos Mirando, também conhecido como Avestruz.

De sua opinião