Cuidado com o seu prédio; ele pode cair

Imagem da estrutura do edifício Vollare

Os recentes empreendimentos imobiliários da cidade de Campos dos Goytacazes começam a sofrer uma auditoria da própria sociedade.

É que quando se compra uma casa ou apartamento, numa construtora, não se compra para morar apenas cincos anos que é o prazo de validade do código de defesa do consumidor.

Muito estranho que até agora nem a DAC Construções e nem o condomínio Vollare tenham trazido a público os pronunciamentos judiciais envolvendo o episódio ocorrido no edifício no último domingo.

Sabe-se que essa pendência jurídica entre o condomínio e a construtora é antiga, mas revela que quando você for comprar um apartamento deve procurar saber a procedência dos profissionais envolvidos na obra, e até mesmo a qualidade dos produtos que estão sendo utilizados.

Não tem graça depois de cinco anos o comprador ficar impossibilitado de ter qualquer tipo de garantia em relação aos construtores.

Existe um codomínio construído pela construtora Cyrela, na Rua Voluntária da Pátria, também conhecida como rua da Jaca, entre a Avenida Alberto Torres e XV de Novembro, onde os moradores estão tendo sérios e graves problemas vez que parte da piscina caiu.

Não se sabe quais as providências que foram tomadas porque esses prédios, na maioria, são administrados por síndicos profissionais, e não por moradores, normalmente controlados pelas próprias construtoras. É que não é o caso do edifício de luxo Vollare.

O certo é que a moradia em condomínio vertical vem sendo ultrajada pelas péssimas qualidades das obras e pelos condomínios caríssimos onde o sindico ganha mais do que o presidente da República.

No edifício Platinum o condomínio é sempre indicado pelo empresário Arthur Marinho que costuma estar no rol de inadimplência, vez que tem várias salas e lojas, na maioria fechada, diante dos problemas que o país atravessa.

A grande dificuldade em tudo isso é na questão da informação que é disponibilizada a sociedade quando se trata de construtoras e condomínios vez que elas são grandes anunciantes da mídia corporativa, o que impede o consumidor de ter acesso a informações corretas, salvo quando ocorre um evento de maior magnitude, que parece ser do edifício Vollare.

O que você vê são os lançamentos das obras com coquetel e invariavelmente com rotulo de que fulano de tal comprou mais de uma unidade. Também tem outra faceta, para não chamar de golpe que é a entrega do imóvel antes inclusive do habite-se, oportunidade em que o adquirente da unidade começa a pagar condomínio antes da hora.

A realidade que o consumidor será sempre surpreendido com uma má notícia.

Imagem abaixo do condomínio da Cyrela citado na matéria.

Imagem abaixo empreendimento da Cyrela em Vitória-ES.

De sua opinião