Está de volta a pressão para que STF julgue a redistribuição dos royalties do petróleo

Liderada pelo governador do Piauí, Wellington Dias, está de volta a pressão para que o plenário do STF julgue a decisão da ministra Cármen Lúcia de suspender em caráter cautelar, em 2013, a lei que redistribuiu por todos os estados os royalties do petróleo. Se o Supremo confirmar esse novo modelo de distribuição, quem perderá muito é o Rio, que já vive em regime de recuperação fiscal.

Mas saem perdendo também outros produtores, como São Paulo e Espírito Santo.

O apetite de outros estados pelos royalties do Rio cresce por causa do aumento internacional do preço do petróleo. Só este ano, o Rio já recebeu uns R$ 10 bilhões em royalties, quase três vezes mais do que em 2016, quando o preço internacional do óleo beijou o chão.

Fonte: Coluna do Ancelmo Gois

Comente