Lula diz que não quer Forças Armadas ‘na favela brigando com bandido’: 'Enquanto for presidente, não tem GLO' - Tribuna NF

Lula diz que não quer Forças Armadas ‘na favela brigando com bandido’: ‘Enquanto for presidente, não tem GLO’

IPTU - Prefeitura de Campos dos Goytacazes

Diante da possibilidade de envio das Forças Armadas para auxiliar no combate à escalada de violência no Rio de Janeiro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva traçou uma linha de corte para a participação dos militares. Segundo ele, militares não devem “entrar na favela brigando com bandido”. O plano em discussão prevê a atuação da Aeronáutica, nos aeroportos, e da Marinha, nos portos, para combater o crime organizado no estado.

— Tive uma reunião com os três comandantes das Forças Armadas e com o companheiro José Mucio (ministro da Defesa) para discutir uma participação no Rio de Janeiro. Eu não quero as Forças Armadas na favela brigando com bandido, não é esse o papel das Forças Armadas, e enquanto eu for presidente não tem GLO (Garantia da Lei e Ordem) — disse Lula, durante café da manhã com jornalistas no Palácio do Planalto.

Eu não quero as Forças Armadas na favela brigando com bandido, não é esse o papel das Forças Armadas, e enquanto eu for presidente não tem GLO (Garantia da Lei e Ordem) — Presidente Luiz Inácio Lula da Silva

Os recentes episódios de violência no estado, incluindo a mortes de um grupo de médicos em um quiosque na Barra da Tijuca e os ataques a ônibus motivados pela morte de um miliciano, acenderam debates sobre um reforço federal na segurança pública do Rio.

Parlamentares chegaram a levantar necessidade de uma intervenção federal no Rio. Porém, tanto o governador Cláudio Castro quanto o secretário executivo do Ministério da Justiça, Ricardo Cappelli argumentam que a ação não é necessária e que “ainda é cedo para avaliar mudanças na atuação da Força Nacional”.

— Determinei que a Aeronáutica pode reforçar o policiamento dos aeroportos. E a Marinha pode reforçar o policiamento dos portos brasileiros. Porque nos aeroportos a droga e as coisas que são contrabandeadas são quilos, nos navios são em toneladas, ou seja, são contêineres de 30, 40 toneladas. É preciso que a Marinha tenha essa disposição. Foi feito um acordo com o ministro da Justiça, com o ministro da Defesa e com o governo do Estado. Nós vamos ajudar — disse Lula.

Lula disse que a ajuda também contará com a participação da Polícia Federal.

— A Polícia Federal tem que ajudar, está investindo em inteligência, detectando as pessoas e prendendo as pessoas, mas a gente não vai fazer nenhuma intervenção, como já foi feita há pouco tempo, em que se gastou uma fortuna — afirmou o presidente durante o café.

O anúncio feito por Lula ocorre dois dias após Castro viajar a Brasília e percorrer gabinetes de ministros do governo e do presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para pedir ajuda ao estado e um endurecimento na legislação para punir criminosos que utilizem armamento de guerra.

Militares

Lula falou ainda que o governo está trabalhando para melhorar a imagem dos militares após os atos do 8 de janeiro. Segundo ele, as Forças Armadas têm de cuidar da segurança do país e defender o Brasil contra possíveis inimigos externos.

— O que aconteceu recentemente com o 8 de janeiro? Foi um desvio pela existência de um governante que sabia fazer tudo, menos governar, que achava que poderia utilizar as instituições como instrumento dele para fazer política que não tinha nada de republicano na cabeça dele — afirmou Lula.

Fonte: O Globo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *