19/07/2024
Política

Justiça manda sequestrar bens de ex-prefeito de Itaboraí investigado por propina

O ex-prefeito de Itaboraí, Sérgio Soares, teve os bens sequestrados pela Justiça. Segundo o Ministério Público do Rio (MPRJ), ele recebeu propina de empresas de ônibus para fiscalizar o transporte clandestino na cidade. A investigação aponta que além do dinheiro, uma mansão em Niterói, na Região Metropolitana, foi usada como pagamento.

A casa de alto padrão em Camboinhas, na Região Oceânica de Niterói, foi comprada, segundo o MP, por mais de R$ 1 milhão com dinheiro de corrupção.

A investigação do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) apontou que o imóvel foi dado a Sérgio Soares, ex-prefeito de Itaboraí, em 2012, como um “presente” para fazer o que deveria ser sua obrigação: enfrentar o transporte clandestino na cidade.

Dez anos depois, a casa está avaliada em mais de R$ 3 milhões. Ela foi comprada no nome de uma empresa de Marcelo Traça, empresário e ex-dirigente da Fetranspor, a Federação de Empresas de Transportes do RJ.

Depois de ser preso em 2017, Marcelo Traça se tornou colaborador do MP, como conta o promotor Antônio Carlos Pessanha, do Gaeco.

“Em determinado momento, o ex-prefeito solicitou que parte dessa propina fosse convertida na compra de um imóvel de luxo. Os empresários de ônibus adquiriram e de forma fraudulenta transferiram para uma empresa do sócio oculto do prefeito. O prefeito usou o imóvel e depois acabou determinando que fosse vendido”, disse Pessanha.

Na delação, Traça contou que as empresas dele perdiam muito dinheiro para o transporte clandestino e que acertou o pagamento de propina a Sérgio Soares, como contrapartida, antes mesmo da eleição: uma mesada de R$ 40 mil, que passou a ser abatida para a compra do imóvel em parcelas.

No último dia 7, o juiz Marcelo Rubiolli determinou o sequestro de bens de Sérgio Soares no valor total de R$ 4 milhões. Também foram bloqueadas as contas bancárias e as aplicações financeiras do ex-prefeito de Itaboraí.

Lavagem de dinheiro

A decisão tem efeitos ainda contra Sérgio Roberto, filho de Sérgio Soares, e de Eraldo Jorge, amigo da família.

De acordo com a investigação, os dois ajudaram o ex-prefeito a lavar o dinheiro da corrupção.

Sérgio Soares foi três vezes prefeito de Itaboraí e duas vezes deputado estadual. Na última eleição, concorreu a deputado federal pelo PSD, mas teve o registro da candidatura indeferido pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ). Ele recebeu menos de quatro mil votos, votação insuficiente para se eleger.

À Justiça Eleitoral, ele declarou ter R$ 210 mil. A maior parte, R$ 175 mil, em espécie, já que uma outra conta também tinha bloqueio judicial.

O que dizem os citados

A Prefeitura de Itaboraí disse que os fatos são relativos a uma gestão passada e que o município está à disposição da Justiça para prestar informações e apresentar documentos que forem solicitados.

As defesas do ex-prefeito Sérgio Soares e do filho dele, Sérgio Roberto, não se pronunciaram. A produção do RJ1 não conseguiu contato com a defesa de Eraldo Jorge.

G1*

Alerj

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *