Gabinete de Crise e Combate à Covid mantém Campos na fase verde sem alterações

O Gabinete de Crise e Combate à Covid-19 se reuniu nesta segunda-feira (19), apresentando estatísticas epidemiológicas que apontaram para a manutenção da Fase Verde, ou seja, Nível II do Plano de Retomada das Atividades Econômicas e Sociais sem novas flexibilizações, mas com estado de alerta sobre a possível chegada da variante Delta e a necessidade de respeito às medidas sanitárias e protocolos de segurança para evitar a disseminação da doença no município.

A reunião foi conduzida pelo subsecretário de Atenção Básica, Vigilância e Promoção da Saúde, Charbell Kury, acompanhado do chefe de gabinete da Procuradoria Geral, Leonam Rodrigues. Essa foi a 17ª reunião do gabinete. Ao apresentar os dados estatísticos, o subsecretário ressaltou a preocupação com a chegada da variante Delta, que já soma no país 97 casos, sendo 73 deles confirmados no Estado do Rio, o que reforça a necessidade de vacinação em massa.

“Diferente de outras vacinas que evita que a pessoa pegue a doença, a vacina da Covid não impede a contaminação. Ela quebra o ciclo de transmissão de outra maneira, ou seja, no momento em que a pessoa está vacinada e se contamina, o vírus encontra dificuldade de se replicar, se reproduzir. Com isso, a pessoa vai deixar de ter sintomas graves e de ficar muito tempo transmitindo a doença”, explica Charbell, ressaltando a importância das pessoas, mesmo vacinadas, continuarem usando máscaras, evitar aglomerações e manter o distanciamento social.

Visando a mitigação e o controle da pandemia, o município acelerou a vacinação na última semana, chegando a aplicar mais 40 mil doses em cinco dia. A estratégia tem como objetivo reduzir as internações de pessoas em leitos de Clínica Médica e Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e, consequentemente os óbitos.

PREOCUPAÇÃO

Dentro do cenário epidemiológico atual, além da preocupação com a chegada da variante Delta, o município vive um momento de oscilação entre descidas e subidas nos casos de internações, cujos gráficos apontam para uma alça epidêmica, ou seja, uma discreta súbita de ocupação dos leitos de UTI na rede pública e privada na última semana. A alça epidêmica também é um pouco mais acentuada quando se observa nos leitos clínicos. “Os leitos clínicos são as enfermarias e é quando o paciente não está tão bom para ser tratado em casa, mas também não está ruim que precisa ir para a UTI. E porque não subiram mais? Por causa da vacinação que impede a gravidade da doença”, explicou o subsecretário.

Charbell destacou ainda que o algoritmo de previsão de atraso, que é a análise do cenário para próximos dias, indica preocupação caso ocorra a circulação da variante Delta na cidade, pois pode colocar o município no mesmo cenário de março, com alta escalda de casos. A variante Delta é 97% mais transmissível que as outras. Sem a variante o cenário aponta para tranquilidade, sem explosão de novos casos, mas para isso é preciso manter os cuidados e protocolos sanitários.

Com a manutenção da Fase Verde, ficam valendo as flexibilizações já permitidas na cidade, através dos decretos nº 244/2021 e nº 248/2021 e que serão ratificadas em Diário Oficial ainda hoje.

Subcom*

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *