16/06/2024
Política

Denúncia aponta suposta fraude em licitação da Seeduc com possível participação de vereadores de Campos

Empresários foram até a delegacia. Foto Rodrigo Silveira (Folha 1)

Um grupo de empresários do ramo de transporte apresentou, nesta sexta-feira (29), uma denúncia de possível fraude em processo licitatório para transporte escolar da rede estadual.

Segundo os empresários, a licitação foi feita sem publicidade adequada e a empresa vencedora teria tido informações privilegiadas de dois vereadores de Campos para ganharem o processo. A denúncia foi protocolada no Ministério Público.

Na manhã desta sexta-feira, três empresários que se sentiram lesados no processo licitatório compareceram na 134ª Delegacia de Polícia (DP), do Centro, para apresentar a denúncia. No entanto, não havia delegado de plantão. De lá, eles seguiram para o Ministério Público, onde protocolaram a denúncia. O empresário Josalvo Borges dos Santos, da empresa São Francisco de Itabapoana Transporte Ltda, contou como foi a situação. “Eles só comunicaram a gente de
que haveria uma licitação na sexta-feira. Como é que você vai tirar uma certidão até segunda?

Tem certidão que leva dois a três dias para sair. Aí segunda-feira, 10h da manhã, você já tinha que ter aquela certidão. Como não tínhamos, fomos desclassificados. Só a dele (da empresa vencedora) estava tudo prontinho porque ela já tinha informação privilegiada”, comentou ao acrescentar que o dono da empresa vencedora seria assessor de um dos parlamentares.

Josalvo ressaltou que a suposta fraude na licitação teria participação dos vereadores Maicon Cruz e Marquinho do Transporte. “O Marquinho do Transporte se juntou a Maicon, que indicou sua ex-assessora para a Coordenadoria. Eles fizeram uma máfia e tem que acabar. Isso já existe há muitos anos. E outra coisa, o vereador Maicon Cruz se metia na hora. Ele ligava na hora da licitação. Eu pedi para botar na ata que ele estava ligando. Ela (a diretora) chegou a colocar, mas depois ligaram da Coordenadoria e mandaram tirar da ata”, disse ao acrescentar que o valor da licitação gira em torno de R$ 10 milhões.

Em resposta, o vereador Maicon Cruz informou o seguinte: “Não tenho acesso a informações referentes a gestão, processo licitatório ou de qualquer teor administrativo do governo do Estado. Desconheço esta denúncia e não tenho nenhum tipo de envolvimento com ilícitos. Havendo acusação ou denunciação caluniosa relacionada ao meu nome, estarei tomando as medidas cabíveis juridicamente”.

A equipe de reportagem também entrou em contato com o vereador Marquinho do Transporte e aguarda posicionamento.

Fonte: Folha 1

Comente