Witzel: ‘Mandar um jornalista calar a boca é tentar calar a boca da democracia’

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, se manifestou nesta terça-feira (5) nas redes sociais após o presidente da República, Jair Bolsonaro, ter dito para jornalistas calarem a boca durante conversa com a imprensa.

“Mandar um jornalista calar a boca é tentar calar a boca da democracia. Quando você tem um cargo público relevante na sociedade você precisa responder à imprensa e não agredi-la, ofendê-la, espezinhá-la, humilhá-la.”, disse Witzel.

Bolsonaro voltou a falar com jornalistas nesta terça-feira (5) cercado por apoiadores. Como de hábito, o presidente atacou a imprensa, impediu perguntas dos jornalistas, e confirmou que o superintendente da Polícia Federal no Rio, Carlos Henrique Oliveira, está deixando o cargo. Bolsonaro alegou que ele está sendo promovido a diretor-executivo da PF.

Questionado se solicitou a substituição de Oliveira, Bolsonaro mandou os repórteres calarem a boca:

“Cala a boca! Cala a boca! Está saindo de lá para ser diretor-executivo a convite do atual diretor-geral. Não interfiro em nada. Se ele for desafeto meu e se eu tivesse ingerência na PF, não iria para lá. É a mensagem que vocês dão. Não tenho nada contra o superintendente do Rio de Janeiro. E não interfiro na Polícia Federal. E ele está sendo convidado para ser diretor-executivo. É o 02”, disse.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *