Tiros que mataram advogado e ex-policial em Niterói foram feitos pela janela do carona, segundo Polícia Civil

Segundo investigações da Polícia Civil, o advogado Carlos Daniel Dias André, de 41 anos, assassinado no bairro Cafubá, na Região Oceânica de Niterói, na manhã desta terça-feira (31), foi morto em um sinal de trânsito. Os investigadores concluíram que o atirador efetuou os disparos pela janela do carona, onde estava o filho da vítima.

*Advogado e ex-policial civil é assassinado em Niterói

A dinâmica do crime, segundo a Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo, foi a seguinte:

Carlos Daniel dirigia o seu carro, com o filho no banco do carona. O jovem andava com a janela do veículo aberta, quando o pai parou em um sinal de trânsito.

Nesse momento, uma moto com dois homens parou ao lado do condutor. O garupa da moto desembarcou e deu a volta por trás do veículo do advogado.

Ao chegar na janela do carona, o atirador colocou a mão no peito do filho de Carlos Daniel e disparou contra o advogado. Carlos Daniel foi atingido no rosto, no braço, na lateral do corpo e na barriga. O filho dele não foi ferido.

Segundo as investigações, o veículo tinha um aparelho de GPS que pode não ser original do carro. A polícia investiga a origem do dispositivo.

Carlos Daniel era ex-policial civil e foi expulso da corporação em 2011, depois que foi preso pela Polícia Federal transportando traficantes que tentavam escapar do cerco à Favela da Rocinha para a implantação da UPP.

O advogado cumpriu 6 anos de prisão. Na cadeia, ele estudou, se formou em Direito e começou a trabalhar na advocacia criminalista. Tornou-se especialista no ramo de execuções penais — área em que advogou para muitos policiais e contraventores do jogo do bicho e máquinas caça-níqueis.

Em nota, a Associação Nacional da Advocacia Criminal (Anacrim) lamentou a morte do advogado. Confira abaixo:

“É com profunda tristeza que tomamos conhecimento do brutal homicídio que ceifou a vida do advogado criminalista Dr. Carlos Daniel Dias André, na manhã dessa terça-feira.

Daniel era um jovem advogado, muito querido entre os colegas da advocacia criminal, que enfrentou sérios problemas na sua trajetória, mas que, superando todas as dificuldades, tornou-se um advogado aguerrido, combativo e com uma promissora carreira.

A diretoria da ANACRIM – Associação Nacional da Advocacia Criminal, indignada com essa violência e ressentida dessa perda, vem externar condolências a todos os familiares e amigos.

Rio de Janeiro, 31 de maio de 2022.

James Walker Júnior
ANACRIM
Presidente

Flávio Fernandes
ANACRIM-RJ
Presidente”.

G1*

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.