Palácio da Cultura: Obra da gestão passada foi uma verdadeira “maquiagem”

Infiltrações, trechos de iluminação expostos, modificações irregulares e setores sem condições de uso. Estas foram as principais constatações feitas pela presidente da Fundação Cultural Jornalista Oswaldo Lima (FCJOL), Auxiliadora Freitas, no prédio do Palácio da Cultura. Acompanhada da vice-presidente, Fernanda Campos, e equipe, Auxiliadora visitou o local nesta quarta-feira (06) e afirma que ficou espantada com o que viu. O prédio foi entregue no dia 30 de dezembro de 2020, sob alegação de ter sido todo reformado e pronto para receber manifestações artísticas e culturais.

“Constatei, com tristeza e perplexidade, o estado em que se encontra um espaço tão importante. Vimos um Palácio da Cultura sem condições de uso, que, na verdade, foi modificado de forma irregular, em sua reforma recente, de maquiagem do prédio, alterando suas caraterísticas. Já estamos providenciando um relatório que será entregue ao Prefeito Wladimir Garotinho, que, em breve, visitará o espaço”, afirmou Auxiliadora Freitas.

Confira as fotos: Palácio da Cultura

Na chamada entrega da “reforma” realizada pelo governo anterior, alguns espaços do Palácio da Cultura não foram contemplados e seguem em estado de total abandono, como o Auditório Amaro Prata Tavares. Já o Pantheon dos Heróis de Campos está inacessível e, por suas vidraças da porta, é possível ver infiltrações nas paredes do espaço no qual estão os restos mortais de grandes campistas, como o abolicionista José do Patrocínio, por exemplo.

No subsolo do prédio, o estado de abandono se repete. No porão, fios soltos aparentam não haver ligação de energia no espaço. Nos jardins, matagal alto e entulhos chamam a atenção.

“A expectativa da nova gestão da cultura diante do abandono dos equipamentos mais antigos era de que encontraríamos espaços em condições de pronto funcionamento. No caso do Palácio da Cultura, há uma placa de entrega do equipamento cultural, informando que a obra teria sido concluída em dezembro de 2020, tendo sido amplamente divulgada pelo governo anterior. Entretanto o que constatamos, de fato, foi um engodo”, observou Auxiliadora.

Obra inacabada, gambiarras, comprometimento da estética do patrimônio, portas com cupins, teto com vazamento. Depois de tais constatações, a equipe da FCJOL percebeu que, literalmente, reforma não houve, no Palácio da Cultura. Ainda segundo Auxiliadora, em breve, serão convocados membros da sociedade civil, que fazem parte do Conselho Municipal de Cultura de Campos (Comcultura) e do Conselho de Preservação do Patrimônio Histórico e Cultural de Campos (Coppam), para a realização de uma visita ao local.

“Diante desse quadro, infelizmente, o prédio não poderá ser devolvido, de imediato, aos munícipes como era nossa intenção. Não sobrou terra sobre terra. Todos os equipamentos culturais estão seriamente comprometidos. Nosso trabalho será intenso, mas a nossa vontade e a do Prefeito é de resgatar a autoestima e a identidade cultural dos munícipes de Campos”, ressaltou a presidente da FCJOL.

Ascom*

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *