Oito empresas participam de pregão das câmeras para órgãos de segurança do Rio

A licitação para a implantação das câmeras operacionais portáteis para órgãos de segurança e fiscalização do Estado do Rio, feita nesta quarta-feira (21/09), teve a participação de oito empresas. A melhor proposta foi de R$ 296 por unidade, representando um ganho de 70% do valor estimado antes do pregão eletrônico. O Governo do Estado prevê a contratação de solução tecnológica para 21.571 câmeras.

Apesar de ter o melhor preço, a empresa ainda não pode ser considerada vencedora porque terá que apresentar para a Comissão de Licitação os documentos exigidos no edital em até três dias úteis. Em seguida, começa a fase de apresentação da solução tecnológica, quando a empresa terá que expor seu produto.

– Vamos seguir todos os prazos legais, e nossa expectativa é que essa primeira fase seja concluída o mais breve possível. Esta é a maior licitação desta ferramenta já feita no Brasil. O equipamento vai garantir mais transparência e segurança para os agentes e para a população – afirmou o governador Cláudio Castro.

Coordenado pela Secretaria de Estado da Casa Civil, o resultado levou em conta o menor preço unitário por item. Todas as informações sobre o edital estão disponibilizadas no site oficial do Governo do Estado.

– Agora entramos em uma fase técnica, que vai garantir a segurança e a transparência deste processo. Nossa equipe vai avaliar se a empresa atende a todos os requisitos do edital. Estamos otimistas para que em breve essas câmeras sejam uma realidade no dia a dia das forças de segurança do estado – disse o secretário da Casa Civil, Nicola Miccione.

Na primeira fase de funcionamento serão contempladas as secretarias de Polícia Militar, Polícia Civil, Governo (Segurança Presente e Lei Seca), Casa Civil (Operação Foco) e Fazenda (fiscais), além do Detran, Inea e Detro. Na segunda fase, será a vez do Procon, Instituto de Pesos e Medidas e Departamento de Recursos Minerais.

Câmeras portáteis

A instalação de câmeras portáteis nos uniformes dos agentes civis e militares dos órgãos de segurança pública e fiscalização foi estabelecida por decreto do governador Cláudio Castro e faz parte do projeto de transparência do Governo do Estado. Além de proteger os servidores em casos de falsas acusações, o uso do equipamento vai aumentar a transparência e a fiscalização das ações policiais. As imagens geradas em função de ocorrências poderão ficar armazenadas por até um ano.

As câmeras operacionais portáteis são uma solução completa de videomonitoramento, englobando câmeras, acessórios de fixação, equipamentos de carregamento elétrico e descarregamento de vídeos e links de dados para transmissão das imagens. Também estão incluídos computadores e monitores para o monitoramento remoto dos agentes, rede de dados para acompanhamento das imagens em tempo real e software de gestão das imagens, tudo com suporte, treinamento e garantia.

Ascom*

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *