Legislativo, Judiciário e MP buscam saída para evitar estouro de gastos com pessoal no RJ

Uma saída para que os Poderes e instituições autônomas do Estado do Rio não estourem os índices de gastos com pessoal — previstos na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) — foi costurada. Trata-se de projeto de lei complementar, de autoria do presidente da Alerj, André Ceciliano (PT), que será votado na próxima terça-feira na Casa em regime de urgência, informa a Coluna do Servidor, de O Dia.

A proposta foi a solução encontrada pelo Legislativo e demais órgãos diante da nova regra de cálculo de despesas com a folha salarial imposta pela Lei 178/21, que prevê as novas bases do Regime de Recuperação Fiscal (RRF).

A legislação exige que o Judiciário, Legislativo, Ministério Público e Tribunal de Contas do Estado passem a incluir inativos e pensionistas na relação de gastos com pessoal. Hoje, essas despesas entram na conta do Rioprevidência.

O PLC apresentado por Ceciliano inclui como receitas do plano financeiro do fundo as contribuições patronal (28%) e dos servidores (14%), além de royalties. E prevê que, para fins de apuração, sejam atribuídas proporcionalmente aos Poderes.

LEI DE 1979

O texto atualiza o Código de Administração Financeira do Estado, previsto em lei de 1979. Na justificativa do projeto, Ceciliano lembra ainda que, ao sancionar a Lei Complementar 178/21, a União instituiu novas regras para que estados possam aderir ao novo RRF, e que tornaram mais restritivas as normas relativas aos gastos com pessoal.

PERCENTUAIS POR PODER

De acordo com a LRF, nos estados, as despesas com salários não podem ultrapassar 3% da receita corrente líquida para o Legislativo, incluído o Tribunal de Contas do Estado. O limite é de 6% para o Judiciário; de 49% para o Executivo; e de 2% para o Ministério Público.

A expectativa é de aprovação da proposta, que será analisada em discussão única.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *