Doleiro investigado pela Lava Jato do RJ é preso em aeroporto no Uruguai

A polícia do Uruguai prendeu, na manhã desta quarta-feira (3), no Aeroporto Internacional de Carrasco, em Montevidéu, o doleiro Chaaya Moghrabi, conhecido como Yasha.

O mandado de prisão foi expedido pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro, e faz parte do processo que originou a operação “Câmbio, Desligo”.

O doleiro estava foragido desde maio de 2018, quando foi deflagrada a operação.

De acordo com investigadores, Chaaya é considerado um dos quatro maiores doleiros do país. Ele é suspeito de praticar crimes de lavagem de dinheiro, evasão de divisas e crime contra o sistema financeiro.

Segundo as investigações, Chaaya integrou um grupo que entre março de 2013 e fevereiro de 2014 realizou ao menos oito operações financeiras consideradas suspeitas no valor de US$ 1.032,807 – cerca de R$ 4 milhões.

Os crimes, apurados a partir das operações “Câmbio, Desligo”, “Calicute”, “Tolypeutes” e “Advalorem”, foram cometidos a partir das movimentações financeiras da corretora Advalor, que funcionava tanto como instituição financeira para armazenar recursos ilícitos de agentes públicos como para efetivar pagamentos em seu favor.

Além da condenação dos denunciados, o MPF pede a reparação de danos morais e materiais em valores de R$ 7.542.456,00 para os doleiros Dario Messer, Chaaya Moghrabi e Flávio Dib.

A empresa Advalor era vendedora de dólares no exterior e, de acordo com as investigações, recebia os recursos em espécie no Centro do Rio de Janeiro.

As investigações mostram também que Chaaya Moghrabi, também chamado de Monza, era um dos investigados que tinham interesse no crédito de dólares nas contas dos integrantes da quadrilha que operavam no exterior.

Fonte: G1

De sua opinião