Aras pede que PF ouça ministros e delegados e recupere vídeo de reunião entre Moro e Bolsonaro

O procurador-geral da República, Augusto Aras, pediu nesta segunda-feira (4) novas diligências da Polícia Federal no inquérito que apura suposta interferência política do presidente Jair Bolsonaro na corporação.

As medidas serão analisadas pelo ministro relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello. Caberá a ele autorizar os depoimentos e enviar as medidas à PF.

O pedido inclui tomada de depoimentos:

  • do ministro da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos;
  • do ministro do GSI, Augusto Heleno;
  • do ministro da Casa Civil, Braga Netto;
  • da deputada Carla Zambelli (PSL-SP);
  • do ex-diretor-geral da Polícia Federal Maurício Valeixo;
  • dos delegados da PF Ricardo Saadi, Carlos Henrique de Oliveira Sousa, Alexandre Saraiva, Rodrigo Teixeira e Alexandre Ramagem Rodrigues.

Essas pessoas devem ser ouvidas, segundo o chefe da PGR, sobre “eventual patrocínio, direto ou indireto, de interesses privados do Presidente da República perante o Departamento de Polícia Federal, visando ao provimento de cargos em comissão e a exoneração de seus ocupantes”.

Aras também pede que Celso de Mello determine à Secretaria-Geral da Presidência da República o envio de cópia dos “registros audiovisuais” de uma reunião entre Bolsonaro, ministros e presidentes de bancos públicos no Palácio do Planalto, em 22 de abril.

A intenção, neste caso, é confirmar a afirmação de Moro de que Bolsonaro teria cobrado, neste encontro, a substituição do diretor-geral da PF e do superintendente da corporação no Rio de Janeiro, além de “relatórios de inteligência e informação da Polícia Federal”.

Leia também: Novo diretor-geral decide trocar chefe da Polícia Federal do Rio, foco de interesse da família Bolsonaro

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *