Após ser desqualificada por indícios de irregularidades, OS recebeu mais de R$ 23 milhões do Governo do RJ

Uma das denúncias no processo que pode levar ao impeachment do governador Wilson Witzel (PSC) é o suposto favorecimento do estado a empresa Unir Saúde, ligada ao empresário Mário Peixoto, preso em maio.

Mesmo após ser desqualificada por indícios de irregularidades, a empresa recebeu mais de R$ 23 milhões do Governo do RJ. Os advogados do governador terão até o dia 30 de julho para apresentar sua defesa na Alerj.

Uma pesquisa feito pelo RJ2, nesta quarta-feira (8), levantou todas as ordens de pagamentos feitos ao Instituto Unir Saúde disponíveis no Portal da Transparência do Governo do Estado.

Ao todo, foram 48 pagamentos à Unir.

  • R$ 15 milhões em novembro de 2019
  • R$ 700 mil em dezembro de 2019
  • R$ 7,6 milhões em janeiro de 2020

Entre os valores de janeiro, chama atenção a empresa ter recebido restos a pagar – quando acontece o pagamento de despesas que o estado teve em outros anos – mesmo estando desqualificada por possíveis irregularidades.

Processo de desqualificação

O RJ2 teve acesso também a trechos do processo que levou à desqualificação do Instituto Unir. No documento, está disponível o histórico de investigações contra a empresa. Foram pelo menos 20 processos administrativos para apuar irregularidades nos contratos.

Entre os problemas investigados estão:

  • Déficit de médicos na escala
  • Problemas de manutenção em unidades
  • Não recolhimento de impostos e encargos
  • Falta de transparência nas despesas

Todas essas irregularidades também foram apontadas no relatório da Controladoria Geral do Estado.

Participação do governador
Mesmo após tantas investigações sobre possíveis irregularidades, o governador Wilson Witzel decidiu revogar a desqualificação do Instituto Unir, em março desse ano.

As investigações que levaram o empresário Mário Peixoto à cadeia também revelaram um possível envolvimento do governador, de acordo com declarações de Luiz Roberto Martins.

“O pessoal está todo doido atrás de mim para me dar negócio, já, me dar contrato.(…) Vai revogar aquela desclassificação da UNIR. Recebi até já ligação dele. Voltar com aquelas quatro da baixada”, falou Luiz Roberto ao telefone.

Luiz Roberto é apontado pelo Ministério Público como o operador financeiro de Mário Peixoto. Segundo ele, o empresário teria acertado a desqualificação da empresa diretamente com o governador.

“Diz o Mario que foi ele que acertou junto com o Governador. Mas não publicou ainda. Eu estava comprando isso de um outro cara”, disse Luiz.

Depois da prisão de Mário Peixoto, Witzel voltou a desqualificar a empresa. Contudo, o governador agora terá que provar que não teve envolvimento com a Unir Saúde para a Comissão de Impeachment da Alerj.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *