TRE cassa mandato de governador de Roraima por ter distribuído cestas básicas no período eleitoral - Tribuna NF

TRE cassa mandato de governador de Roraima por ter distribuído cestas básicas no período eleitoral

TSE – Tribunal Superior Eleitoral
Urna eletrônica

O Tribunal Regional Eleitoral de Roraima (TRE-RR) cassou nesta terça-feira o mandato do governador de Roraima, Antonio Denarium (PP). A decisão ocorre após o mandatário ter recorrido via embargo de declaração e a Corte ter confirmado a punição imposta em agosto deste ano. Denarium é acusado de abuso de poder político por ter distribuído cestas básicas no período eleitoral de 2022. No período em questão, o número de beneficiários passou de dez mil para 50 mil.

IPTU - Prefeitura de Campos dos Goytacazes

A ação acatada pelo TRE foi ajuizada pelo Avante e resultou na condenação foi por crime eleitoral. Por ter sido uma decisão regional, o governador seguirá no posto até o julgamento da instância superior — neste caso, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Para isso, a Corte marcará um julgamento que, segundo especialistas, normalmente demora cerca de noventa dias para ocorrer. É o que explica o advogado eleitoral Emerson Delgado, da Academia Brasileira de Direito Eleitoral e Político (ABRADEP):

— Em janeiro de 2022, ano eleitoral, ele (Denarium) sancionou uma lei que daria embasamento para que ele pudesse atender 50 mil famílias com cestas básicas. Isso é vedado por impulsionar votos usando verba pública. O TRE entendeu que houve abuso e afronta à legislação. A decisão ainda precisa ser ratificada pelo TSE. Caso se confirme o entendimento, serão convocadas novas eleições, que devem ocorrer no prazo de 40 dias.

Após o aval da Corte Eleitoral superior, Antonio Denarium ainda poderia recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF):

— No ponto de vista recursal, é possível ir ao STF, mas a decisão do TSE tem efeito imediato. E é bem raro o STF conceder recurso suspensivo — diz Emerson Delgado.

O GLOBO procurou a assessoria do governador e a reportagem será atualizada em caso de manifestação.

Fonte: O Globo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *