Subsecretário de Saúde que realizava contratos emergenciais é afastado pelo governador Witzel

O subsecretário-executivo de Saúde do Estado do Rio de Janeiro, Gabriel Neves, foi afastado neste sábado (11) pelo titular da pasta, o secretário Edmar Santos. De acordo com nota do Governo do RJ, a medida foi tomada para assegurar que os processos de auditoria externa, solicitados a órgãos de controle por determinação do governador Wilson Witzel, possam ocorrer sem suspeição ou interferência.

Gabriel Neves foi nomeado em fevereiro para coordenar as contratações emergenciais em função da pandemia.

Denúncias afirmam que o Governo do Estado do Rio de Janeiro gastou R$ 1 bilhão para fechar contratos emergenciais, sem licitação, para o combate do Covid-19. Os valores seriam destinados para a compra de respiradores, máscaras e testes rápidos.

A maior parte deste dinheiro, quase R$ 836 milhões, seria destinada para a Organização Social (OS) Instituto de Atenção Básica e Avançada à Saúde (Iabas).

A OS está proibida de participar de novas licitações por dois anos no município do Rio. A decisão da prefeitura foi tomada porque a OS descumpriu contratos e teria cometido erros administrativos graves nas UPAs de Costa Barros e Madureira.

As falhas das OSs geraram prejuízos aos cofres públicos, como desvio de verbas, gastos acima dos valores contratados, falta de pagamento à serviços terceirizados.

Leia também: Coronavírus: hospital de campanha de Campos com 100 leitos custará R$ 59,6 milhões

Governo Witzel recua e libera acesso a documentos de contratos de emergência

Witzel abre sindicância para apurar sigilo dado a contrato de R$ 835 milhões para hospitais de campanha

Com G1*

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *