SP deve colocar estado na fase vermelha da quarentena aos finais de semana e a partir das 20h nos dias úteis

Após mais uma semana de piora nos indicadores da Covid-19 em São Paulo, a gestão João Doria (PSDB) deve anunciar nesta sexta-feira (22) regras mais restritivas de isolamento social, e determinar que todo o estado fique na fase vermelha do plano de flexibilização econômica aos finais de semana e feriados.

Nela, apenas serviços essenciais como padarias, mercados e farmácias, podem operar.

Nos dias úteis, a medida passará a valer no período noturno, das 20h às 6h, para as regiões que estiverem na fase amarela e laranja da proposta.

Seis novas regiões devem regredir à fase vermelha, na qual atualmente está apenas Marília. A capital paulista e a Grande São Paulo também sofrerão alterações e ficarão na fase laranja, que não permite o funcionamento dos bares.

Desde o início do ano, o governo paulista tem feito reclassificações semanais. No final de 2020, a gestão estadual chegou a colocar o estado na fase vermelha durante as festas de final de ano para tentar evitar aglomerações e, consequentemente, os riscos de contaminação.

O Plano São Paulo prevê o rebaixamento para fases com regras mais restritivas da quarentena em regiões que apresentam grande aumento semanal de novas internações, mortes, casos ou taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

“As restrições de horários e serviços têm como objetivo diminuir a circulação das pessoas e, com elas, do vírus.”

Interior
De acordo com o secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, a disparada de casos e mortes atinge de forma mais alarmante o interior do estado.

“O que nós podemos observar neste momento é que o interior atinge seu pico na pandemia. Nós temos a maior média móvel dada historicamente no interior do estado. A pandemia atinge todo o território aqui do estado, mas o interior de forma mais contundente”, afirmou o secretário em entrevista ao Bom Dia SP na manhã desta sexta (22).

“Estamos hoje com uma ocupação de UTI em torno de 71% na média do estado de SP, mas essa média supera o 75% em pelo menos seis regiões do estado de SP”, completou Vinholi.

Ainda segundo o secretário, o estado ampliará nos próximos dias o número de leitos disponíveis na rede.

“Serão 700 novos leitos de UTI colocados em todo nosso território, e também a mobilização para que esses prefeitos possam agir com responsabilidade, aumentando as restrições ao longo desse período.”

Na terça-feira (19), o coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus, Paulo Menezes, já havia adiantado que a piora nas taxas de ocupação de UTI poderia levar ao rebaixamento da Grande São Paulo, que inclui a capital, e da região de Sorocaba.

Fonte: G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *