Sergio Moro declara apoio a Bolsonaro no 2º turno - Tribuna NF

Sergio Moro declara apoio a Bolsonaro no 2º turno

IPTU - Prefeitura de Campos dos Goytacazes

Sergio Moro declarou nesta terça-feira (4) apoio ao presidente Jair Bolsonaro no 2º turno.

Uma nota foi publicada nas redes sociais do senador recém-eleito pelo Paraná. Por meio da conta no Twitter, Moro diz que Lula (PT) não é uma opção e que o governo do petista foi marcado pela corrupção.

“Contra o projeto de poder do PT, declaro, no segundo turno, o apoio para Bolsonaro”, publicou Moro.

Em entrevista à RPC, Moro já havia afirmado que não apoiaria o candidato e ex-presidente Lula (PT).

“Nós vamos definir a nossa posição nos próximos dias. Hoje é um dia de reflexão, um dia de agradecimento, um dia de nós nos posicionarmos, mas de todo modo eu já falei anteriormente: jamais estaremos do lado do Lula e do PT”.

‘Superado’

O presidente Jair Bolsonaro (PL) elogiou Moro e disse que o desentendimento que teve com o ex-juiz da Lava Jato está “superado”.

“Tá superado tudo. E daqui pra frente é um novo relacionamento. Ele pensa, obviamente, no Brasil e quer fazer um bom trabalho para o seu país e para o seu estado. Então passado é do passado, não tem contas a ajustar. Nós temos é que, cada vez mais, nos entendermos pra melhor servimos a nossa pátria. Ele mesmo, quando chegou aqui, como ministro não tinha nenhuma experiência política”, declarou Bolsonaro.

O presidente se refere ao atrito que levou a demissão de Sergio Moro do cargo de Ministro da Justiça do governo Bolsonaro.

Na época, a demissão foi motivada pela decisão de Bolsonaro de trocar o diretor-geral da Polícia Federal (PF), Maurício Valeixo, indicado ao posto por Moro.

Ao anunciar a demissão Moro afirmou que disse a Bolsonaro que não se opunha à troca de comando na PF, desde que o presidente lhe apresentasse uma razão para isso.

Ele declarou também que o problema não era a troca em si, mas o motivo pelo qual Bolsonaro tomou a atitude. Segundo Moro, Bolsonaro tentava interferir politicamente na Polícia Federal e queria “colher” informações dentro da PF, como relatórios de inteligência.

As declarações renderam ao presidente Bolsonaro a instauração de um inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar as denúncias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *