24/05/2024
Campos

Seminário discute inclusão e políticas públicas para Pessoas com Deficiência

A participação dos setores da sociedade e da população no trabalho de inclusão de Pessoas com Deficiência foi tema do Seminário Setembro Verde, aconteceu nesta terça-feira (12), no Teatro Trianon. Realizado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Humano e Social, o Seminário discutiu a conscientização da inclusão e da garantia de direitos básicos de PCDs. Além das pessoas que convivem com algum tipo de deficiência, o Seminário reuniu os representantes das Organizações da Sociedade Civil (OSCs) que realizam o atendimento a mais de 800 usuários no município.

Com o tema “Conectados por uma sociedade inclusiva”, o Seminário aconteceu neste mês, nacionalmente dedicado à Luta da Pessoa com Deficiência. Em Campos, quatro instituições conveniadas à Prefeitura prestam serviços socioassistenciais às pessoas com deficiência e seus familiares. O valor repassado pelo município é de cerca de R$ 473 mil. Com a verba são garantidos diversos serviços aos 848 usuários. O atendimento feito pela Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE); Associação de Pais e Amigos de Pessoas Especiais do Norte e Noroeste Fluminense (APAPE); Associação de Proteção e Orientação aos Excepcionais (APOE; Educandário para Cegos São José Operário.

Ano passado a Prefeitura reajustou em 10%o valor dos repasses às instituições, o que permitiu a ampliação do número de assistidos. “Nós estamos aqui para exaltar a importância do trabalho que as instituições realizam em parceria com o poder público. É um tema que tem muita relevância, porque a gente precisa que a sociedade, através de vários setores, esteja atenta à diversidade e inclusão”, disse o secretário Rodrigo Carvalho.

Para a presidente da Apoe, Pryscila Marins, as pessoas que vivem com algum tipo de deficiência encontram diversos desafios, que muitas vezes são somados ao preconceito. “É de grande valia estarmos aqui discutindo a inclusão. Eu acredito demais na potencialidade das pessoas, independente das suas habilidades. As pessoas que possuem deficiência por muitas vezes têm direito básico negado. Além disso, o preconceito faz com que as pessoas com deficiência desenvolvam problemas de saúde mental, como depressão e ansiedade. A sociedade precisa ser mais empática. O prefeito Wladimir Garotinho é um grande parceiro para que a gente realize as nossas atividades e caminhe para um futuro melhor”, disse.

Representando o Educandário São José Operário, entidade que atende pessoas com deficiência visual e/ou múltiplas deficiências, a Sara Barreto, que é deficiente visual total, reforçou a importância das instituições no desenvolvimento dos assistidos.

“Eu tenho deficiência visual total. No Educandário, eu aprendi a usar o computador, tive noções importantíssimas de mobilidade e hoje ando com cão guia. Eu sou a prova viva de como o São José operário continua impactando na vida das pessoas, não só de Campos, mas da região. Além de auxiliar, a instituição promove também a autonomia e a igualdade. Com o poder público, a sociedade como um todo, vamos buscar cada vez mais a inclusão”, explicou.

A presidente da Apape, Naira Peçanha, disse que o Seminário serve para debater ações que extinguem as diferenças e avançam no atendimento, direito e inclusão de PCDs. “Todos são importantes neste caminho para fazer a diferença. No processo de inclusão, o Setembro Verde tem uma importância muito grande, porque traz a essência de que precisamos mudar o nosso comportamento. As diferenças existem e estamos aqui para que possamos dialogar sobre elas. As discussões, encontros, seminários servem para que a sociedade mude. Que a inclusão avance em todos os aspectos, como na educação, saúde e assistência de forma geral”, disse a presidente.

Com 27 anos de existência, a APAE é mais uma instituição que, junto com o município, oferta Serviço de Proteção Social Especial para pessoas com deficiência e suas famílias. À frente da APAE desde 2020, a atual presidente, Regina Célia de Azevedo também ressaltou que o Seminário realiza o debate de ideias entre usuários, profissionais que atuam na área e poder público. “Esse encontro serve para que a gente consiga reunir pessoas que discutam as melhores maneiras de fazer com que a inclusão e o respeito sejam parte do dia a dia. Além disso, consegue trazer para os usuários e familiares a importância dos cuidados. Junto com o poder público, a APAE cumpre um papel muito importante em nossa cidade”, disse.

SETEMBRO VERDE – O Dia Nacional de Luta das Pessoas com Deficiência é celebrado nacionalmente desde 1982, no dia 21 de setembro. O dia foi escolhido por sua proximidade com a primavera e por ser também o Dia da Árvore, de forma a assinalar que uma sociedade acessível e inclusiva tem que ser sustentável em todos os aspectos.

A cor verde foi escolhida para representar o conceito de florescimento e frutificação dos direitos como processo de consolidação dos mesmos, consistindo em uma estratégia de promoção de uma grande campanha que possa destacar, num contexto maior, cada uma das ações que são realizadas no período.

Secom*

Alerj

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *