Rio de Janeiro tem 37 bilionários, segundo a revista Forbes

De acordo com a revista Forbes, são 315 bilionários brasileiros atualmente. Desses, 37 são do Rio de Janeiro. Alguns não têm seus nomes divulgados, por diversos motivos. O site DIÁRIO DO RIO mostra quem são os 10 mais ricos do nosso estado.

Ainda segundo a revista, a lista de bilionários brasileiros segue os critérios da Forbes norte-americana, tendo a participação em empresas listadas em bolsas de valores como principal fonte de informação. A data de corte da apuração do patrimônio foi o fechamento do primeiro semestre de 2021, ou seja, 30 de junho.

Vejam quem são os 10 maiores bilionários do Rio, seguindo a ordem do mais para o menos rico:

Jorge Paulo Lemann

Fortuna Estimada: US$ 16,9 bilhões
Idade: 81 anos
Fonte da fortuna: Anheuser-Busch InBev

Jorge Paulo Lemann é um economista e empresário nascido no Rio de Janeiro, filho de pais de origem suíça, ele é, não só o carioca mais rico, como o brasileiro com maior fortuna acumulada.

Ele ainda viu sua fortuna crescer de US$ 10,4 bilhões em 2020 para US$ 16,9 bilhões em 2021. Isso o deixa como o 114º homem mais rico do mundo.

Junto com seus dois principais sócios, Marcel Telles e Beto Sicupira (dos quais falaremos adiante), Lemann criou o Banco Garantia e investiu em empresas como Lojas Americanas, Brahma e a Antarctica, que formariam a Ambev, o embrião da que hoje é a maior fabricante de cervejas do mundo, a AB InBev.

Investiu ainda em empresas como Telemar, Gafisa e ALL e, com a fundação do fundo 3G Capital, comprou as redes Burger King, Tim Hortons, Popeyes e Heinz, esta última em parceria com o investidor Warren Buffett, de quem é amigo pessoal.

Ex-jogador de tênis profissional e entusiasta da educação, é idealizador de três entidades filantrópicas: Fundação Estudar, Fundação Lemann e Instituto Tênis.

Marcel Herrmann Telles

Fortuna Estimada: US$ 11,5 bilhões
Idade: 71 anos
Fonte da fortuna: Anheuser-Busch InBev

O economista Marcel Herrmann Telles foi dos que construiu fortuna ao lado de Jorge Paulo Lemann. E viu subir sua fortuna também em 2021, de US$ 6,5 bilhões, passou a ter US$ 11,5 bilhões, o que o torna o 191º homem mais rico do mundo.

O início de sua vida profissional foi no Banco Garantia, já mencionado aqui na história de Jorge Paulo Lemann.

Hermann rapidamente se destacou na empresa, o que o proporcionou a tarefa de reerguer a cervejaria Brahma.

Sob direção do economista , a empresa não só saiu de um buraco de dívidas gigantescas, como auferiu lucros nunca antes alcançados, derrubando sua principal concorrente à época: Antártica.

Jorge Moll Filho e Família

Fortuna: US$ 11,3 bilhões
Idade: 76 anos
Fonte da fortuna: Rede D´Or

Jorge Moll Filho é o médico e empresário responsável pela presidência do Conselho de Administração da maior rede de hospitais privados do país, a D’Or. Empreendimento avaliado em mais de 20 bilhões de reais e com mais de 30 unidades de saúde espalhadas pelo Brasil. E com o IPO da Rede D´Or feito em 2020 viu sua fortuna decolar, de US$ 2 bilhões passou para US$ 11,3 bilhões em 2021, o que o torna o 4º homem mais rico do Brasil, e o 194º do mundo.

O grupo de Jorge Moll Filho soube explorar muito bem a carência de hospitais particulares de excelência existente na cidade do Rio de Janeiro. As três primeiras unidades da rede a serem inauguradas no país foram o Copa D’Or, Barra D’Or e Quinta D’Or.

Em 1977 o médico iniciou sua trajetória no mundo dos negócios com a fundação do Grupo Labs. A primeira unidade, Cardiolab, atuava na área de diagnósticos médicos.

Investimento que teve como ação inicial a ideia de ocupar espaços, política que Jorge Moll utiliza em seus empreendimentos.

Em 2015 a família Moll vendeu 8,3% das ações para o fundo americano Carlyle, em uma transação que rendeu 1,75 bilhão de reais.

Carlos Alberto Sicupira

Fortuna Estimada: US$ 8,7 bilhões
Idade: 73 anos
Fonte da fortuna: investimentos

Fechando o trio de sócios da 3G Capital, Carlos Alberto Sicupira é o único dos três que não é economista de formação. Mas ainda assim sua fortuna quase dobrou em 1 ano, de US$ 4,8 bilhões, foi para 8,7 bilhões, o que o deixa como o 5º homem mais rico do Brasil, e 274º do mundo.

Contudo, cursou administração de empresas, e assim como Her,mann, começou sua carreira na corretora Garantia, a qual ambos ajudaram a ser elevada ao patamar de banco de investimentos.

Sicupira foi o responsável pela reestruturação das Lojas Americanas, transformando totalmente sua cultura organizacional e posicionando a varejista como uma gigante de mercado inspirada no Walmart.

Alexandre Behring

Fortuna Estimada: US$ 7 bilhões
Idade: 54 anos
Fonte da fortuna: 3G Capital

Alexandre Behring também é um empresário que tem suas fontes de renda liga oriundos de sua atividade como sócio na 3G Capital ao lado de Lemann, Telles e Sicupira. E também viu a fortuna subir, dos US$ 4,3 bilhões em 2020, foi para US$ 7 bilhões em 2021.

Ele é formado pela PUC-RJ em Engenharia Elétrica e fez MBA pela Harvard Business School, nos Estados Unidos.

Durante sua carreira profissional, se aproximou de seu mentor: Lemann, até chegar a ser seu sócio na 3G Capital.

Dentro da empresa, Alexandre é responsável pelo setor de “Restaurant Brands International”, que gere as redes de fast-food Burguer King e Tim Hortons.

Além desta atribuição, Behring também é presidente da Kraft Heinz desde 2015.

Dulce Pugliese de Godoy Bueno

Fortuna Estimada: US$ 6,4 bilhões
Idade: 73 anos
Fonte da fortuna: Amil/Dasa

Mesmo não sendo carioca de nascimento, Dulce Pugliese de Godoy Bueno tem uma relação especial com o Rio, moradora da Barra da Tijuca, é a mulher mais rica do Rio de Janeiro, e a 2ª do Brasil, perdendo a posição para Vicky Safra, de São Paulo. Ainda assim Dulce viu sua fortuna saltar de US$ 3,5 bilhões para US$ 6 bilhões. Ela aparece em 451º lugar das pessoas mais ricas do mundo.

Com 73 anos, Dulce Pugliese de Godoy Bueno é cofundadora da Amil e uma das controladoras do grupo de diagnósticos clínicos Dasa, a quarta maior rede de laboratórios do mundo. Além disso, controla também a Rede Ímpar de Hospitais, que, aqui no Rio, é dona de hospitais como o Hospital São Lucas, em Copacabana.

André Esteves

Fortuna: US$ 4,5 bilhões
Idade: 52 anos
Fonte da fortuna: Pactual

Até 2015, André Santos Esteves era um banqueiro e ex-CEO do banco de investimentos BTG Pactual, um dos maiores entre os mercados emergentes. Esteves deixou o posto após ser preso na Operação Lava Jato, a mando do então ministro do Superior Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki. Mas isso não o impediu de ver a fortuna subir de US$ 2,9 bilhões em 2020 para US$ 4,5 bilhões em 2021 e ser o 638º homem mais rico do mundo.

Antes de ser um dos fundadores do BTG, André Esteves fez carreira no banco Pactual. Ingressou na instituição no final da década de 1980, como analista de sistemas, aos 21 anos, quando estava na faculdade.

Anos mais tarde, tornou-se sócio da empresa. Em 2006, o grupo suíço UBS comprou o Pactual, dando origem a UBS Pactual – com Esteves a frente das operações.

Após trajetória no Banco Pactual, André Esteves se juntou a um grupo de sócios e criou a BTG Investments – empresa com cultura similar ao do banco Pactual.

Pedro de Godoy Bueno

Fortuna: US$ 3 bilhões
Idade: 30 anos
Fonte da fortuna: Grupo Dasa

Pedro de Godoy Bueno, herdeiro e presidente do Grupo Dasa e acionista da UnitedHealth Brasil, é o brasileiro mais jovem na lista divulgada pela Forbes. Com apenas 30 anos, CEO do Grupo DASA, viu sua fortuna aumentar de US$ 1,1 bilhão em 2020 para US$ 3 bilhões em 2021. O que torna a 1008ª pessoa mais rica do mundo.

Formado pela PUC-Rio é filho do fundador da empresa de assistência de saúde Amil Edson de Godoy Bueno, morreu em 2017.

Guilherme Benchimol

Fortuna: US$ 2,6 bilhões
Idade: 44 anos
Fonte da fortuna: XP

Estreante na lista, Guilherme Benchimol é CEO e um dos fundadores da XP Inc. E viu em 2021 sua fortuna chegar aos US$ 2,6 bilhões, o que o deixa como o 9º carioca mais rico do mundo. Formado em economia pela UFRJ, o empresário começou a carreira profissional como estagiário, aos 18 anos, em um corretora de valores no Rio. Depois, atuou em outras duas empresas do mesmo ramo.

Após ser demitido do último emprego, decidiu em 2001, em Porto Alegre, fundar a XP ao lado de Marcelo Maisonnave. Em 2018, o empresário foi listado pela Bloomberg como uma das 50 pessoas mais influentes do mundo – é o único representante da América do Sul na lista.

Pedro Moreira Salles

Fortuna: US$ 2.5 bilhões
Idade: 61 anos
Fonte da fortuna: Itaú Unibanco

Pedro Moreira Salles, que embora tenha nascido em Washington D.C., no Estados Unidos e estudado boa parte da vida no exterior, tem cidadania brasileira e norte-americana. Viu sua fortuna crescer, de US$ 2 bilhões em 2020 para US$ 2,5 bilhões em 2021, a está 1249º dos mais ricos da Forbes

Com formação em economia, ele é o atual presidente do conselho administrativo do Itaú Unibanco e do conselho diretor da Federação Brasileira de Bancos.

Pedro Moreira Salles é, ao lado do irmão Fernando Roberto Moreira Salles, o único da família que faz parte do corpo administrativo do Itaú Unibanco.

André Street

Fortuna: US$ 2.5 bilhões
Idade: 36 anos
Fonte da fortuna: StoneCo

Mais um novo bilionário carioca, André Street é cofundador e presidente da rede de máquinas de cartão Stone, uma das startups brasileiras que mais cresceu nos últimos anos. Além disto, o empresário é um dos responsáveis por realizar o IPO do grupo na Nasdaq, medida que atraiu grandes investidores, incluindo a lenda dos negócios Warren Buffett. André é um dos empreendedores jovens de maior sucesso do Brasil. Sua fortuna está avaliada em US$ 2,5 bilhões, e se encontra empatado com o herdeiro do Itaú Unibanco em 1249º

Atuando, principalmente, na área digital, André Street já fundou e fez parte de uma série de empresas ligadas ao campo. Ele começou a empreender aos 15 anos quando criou a Paga Fácil, que vendeu depois. Ele é bisneto do empresário Jorge Street, um dos fundadores da Ciesp.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *