Relatórios do Coaf revelam vida luxuosa do ex-subsecretário de Saúde Gabriell Neves

Gabriell Neves, ex-subsecretário de Saúde de Wilson Witzel

Relatórios da Unidade de Inteligência Financeira, o antigo Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras), obtidos pelo RJ2, revelam uma vida de luxo do ex-subsecretário estadual de Saúde Gabriell Neves, suspeito de integrar um esquema de desvios de recursos na pasta no ano passado.

Os documentos mostram, por exemplo, que o ex-subsecretário gastou mais de meio milhão de reais em compras que foram pagas em dinheiro vivo. Além disso, fatura de cartão de crédito que chegou a R$ 300 mil. As informações, segundo apurou a equipe de reportagem, não são compatíveis com o salário do ex-gestor e levantam suspeitas sobre ganhos ilícitos.

Atualmente, Neves está desempregado e foi obrigado pela Justiça a usar uma tornozeleira eletrônica. Mesmo assim, ele continua a viver uma vida de alto padrão.

Procurada pelo RJ2, a defesa de Gabriell Neves comunicou que não iria se manifestar porque as informações estão sob sigilo no Superior Tribunal de Justiça.

Movimentação incompatível

O volume de dinheiro gasto em espécie pelo ex-subsecretário impressiona. Os relatório do antigo Coaf, obtidos com exclusividade pelo RJ2, constam em processos a que ele responde.

Preso em maio de 2020 por suspeitas de irregularidades na gestão da Saúde, em setembro do mesmo ano Neves deixou a cadeia. Os documentos mostram que, ao longo dos anos, Gabriell Neves movimento quase R$ 2 milhões em uma de suas contas bancárias.

O valor, segundo o órgão de controle, é incompatível com os salários que o ex-subsecretário recebia no cargo. Entre maio de 2018 e abril de 2020, quase R$ 913 mil entrada na conta de Neves. Desse valor, R$ 156,5 mil são relativos a pagamentos de salários do governo do estado. O restante veio de transferências e de depósitos.

O documento obtido pelo RJ2 identifica pelo menos 16 depósitos com valores abaixo de R$ 10 mil – o que não obriga que o autor de depósito se identifique. Para o Coaf, a estratégia traz indícios de “burla, que dificultam a identificação de real origem e destinação de valores”.

Compras caras

O relatório revela, ainda, altos gastos de Neves com compras. E muitas delas em dinheiro vivo. Ao longo de 1 ano, o ex-gestor pagou quase R$ 500 mil em espécie. São pelo menos seis registros de compras no segmento de bens de luxo ou de alto valor no Rio e em São Paulo.

O RJ2 também teve acesso a faturas de um cartão de crédito de Neves. Em junho de 2018, a conta que chegou para o ex-subsecretário somava R$ 316 mil . Na descrição, os gastos incluíram lojas de grifes como Louis Vitton, Empório Armani, Gucci e Burberry.

Trajetória

Gabriell Neves virou secretário estadual de Ciência e Tecnologia em fevereiro de 2018. Ele assumiu a pasta no lugar do deputado estadual Gustavo Tutuca, de quem era subsecretário. Lá, Neves permaneceu até o fim do ano.

Como secretário, Neves recebia R$ 11 mil por mês. Depois, assumiu em julho a Secretaria Municipal de Saúde de Seropédica, na Baixada Fluminense. E na sequência chegou à Subsecretaria Executiva da Secretaria estadual de Saúde, em fevereiro de 2020.

Como subsecretário, Gabriell Neves recebia R$ 15 mil de salário. A mudança de vencimentos não foi tão expressiva, mas o volume de gastos continuou o mesmo.Entre novembro de 2019 e fevereiro do ano passado, em apenas uma de suas contas, Neves teve uma movimentação de R$ 230 mil.

O ex-subsecretário recebeu mais de R$ 107 mil em uma das contas e gastou outros R$ 123 mil. A maior parte dos depósitos veio de outras contas movimentadas pelo próprio ex-subsecretário.

Nome de amiga aparece

Mas um outro nome aparece nas movimentações. Alice Maria Lima de Souza transferiu R$ 15 mil para Neves. Ela, sozinha, fez dez transferências para uma conta do ex-gestor.

Só ela transferiu pelo menos R$ 90 mil para Gabriell Neves em dois anos. O RJ2 apurou que ela é amiga do ex-subsecretário. Procurada, Alice informou ao RJ2 que os valores depositados a Neves se tratavam de empréstimo.

Alice também justificou as movimentações fracionadas dizendo que o limite da própria conta é baixo.

Em 30 de março do ano passado, ela foi nomeada ajudante da Secretaria de Estado de Saúde, quando Neves ainda era subsecretário da pasta. E a mesma conta em que ela fez os depósitos recebeu mais de R$ 130 mil nos três primeiros meses de 2019.

O que chamou atenção do banco que comunicou a movimentação foi, mais uma vez, a realização de depósitos em espécie e de forma fracionada. Foram 16 aplicações com valores entre R$ 4.650 e R$ 9.900. A maior parte dos depósitos ocorreu em uma agência bancária na Rua da Assembleia, no Centro, a uma quadra da Assembleia Legislativa do Rio.

E em uma terceira conta, durante um ano, entre outubro de 2018 e outubro de 2019, Neves recebeu R$ 110 mil em 16 depósitos em espécie com valores que iam de R$ 2 mil a R$ 9,9 mil.

Desempregado

Gabriell Neves está desempregado desde que foi demitido da Secretaria de Saúde. Mesmo assim, o RJ2 apurou que ele continua mantendo uma vida luxuosa.

O ex-subsecretário vive no Leblon e mantém, sozinho, advogados, assessoria de imprensa e motorista. Por ordem da Justiça, Neves usa tornozeleira eletrônica e não responde a mais nenhum crime.

G1*

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *