Operação Match Point: islandês chefe de quadrilha de tráfico internacional de drogas é preso no Rio, diz PF - Tribuna NF

Operação Match Point: islandês chefe de quadrilha de tráfico internacional de drogas é preso no Rio, diz PF

IPTU - Prefeitura de Campos dos Goytacazes

O principal alvo da Operação Match Point, deflagrada nesta quarta-feira (12) pela Polícia Federal (PF) em 10 estados contra o tráfico internacional de drogas, foi preso em uma casa em obras em São Conrado, na Zona Sul do Rio de Janeiro.

Segundo as investigações, o islandês preso é o chefe da quadrilha. Até a última atualização desta reportagem, o nome dele não tinha sido divulgado.

A operação, com cooperação internacional, visa a desarticular uma organização criminosa especializada em lavagem de dinheiro do tráfico. Agentes saíram para cumprir 33 mandados de prisão em seis estados e 49 de busca e apreensão. Além do Rio de Janeiro, a PF atuava em BA, CE, GO, MG, PB, PE, RN, SC e SP.

Os crimes investigados são lavagem e ocultação de bens, organização criminosa e tráfico internacional de drogas com associação ao tráfico. As penas acumuladas desses crimes podem chegar a mais de 40 anos de prisão, de acordo com a PF.

A PF afirma que o grupo criminoso se dividia em duas grandes células com ramificações em várias cidades brasileiras, em especial nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte.

Além disso, foi realizado o bloqueio de contas bancárias de 43 pessoas físicas e o sequestro de 57 bens, entre imóveis veículos e embarcações. Os bens retidos na operação podem superar os R$ 150 milhões.

O islandês já tinha sido investigado antes pela própria polícia do país escandinavo.

Para a realização da operação desta quarta, a PF fez cooperação com a Itália, através da Organização Internacional de Polícia Criminal (Interpol), e com a Islândia, junto à Agência da União Europeia para a Cooperação Policial (Europol).

Já houve prisões durante as investigações. Foram sete em flagrante, com a apreensão de 65 quilos de cocaína e 225 quilos de skunk. A PF não divulgou em quais cidades foram essas prisões.

G1*

Alerj

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *