Operação conjunta entre polícias Civil e Militar fecha galpão usado para falsificação de cerveja

As polícias Civil e Militar fecharam um galpão em Queimados, na Baixada Fluminense, que era usado para falsificar cerveja. As tampas e rótulos de bebidas mais baratas eram trocados por outros, de marcas mais caras. Doze homens foram presos.

A operação aconteceu em conjunto entre agentes da 21 ºDP (Bonsucesso) e policiais do Batalhão de Policiamento em Vias Especiais (BVPE).

“Tentaram fugir pela traseira do galpão, pelo muro de trás, mas a gente cercou o local e acabou prendendo quando eles pulavam o muro”, afirmou o delegado Hilton Alonso, responsável pelas investigações.

A falsificação acontecia, geralmente, com garrafas de vidro de 600 ml. Um homem demonstrou aos policiais como acontecia o crime: ele tira a tampinha da marca oficial e coloca a da cerveja da marca que será feita a falsificação. Depois, os adesivos do alto da garrafa e do rótulo central são colados.

A investigação que levou às prisões começou com a apuração da Polícia Civil sobre as vendas de bebidas alcoólicas vendidas nos bailes funk das favelas do Complexo da Maré, na Zona Norte do Rio.

“Iniciamos a investigação em relação à venda de bebida alcoólica para os bailes da Maré. Chegamos até essa fábrica, junto com o BPVE, graças a um serviço de inteligência, junto com o Disque Denúncia também atuando. Conseguimos prender esses elementos. A investigação agora vai prosseguir para ver há quanto tempo eles trabalhavam nisso. Toda essa diretriz vai ser analisada nessa investigação”, disse o delegado.

O material usado nas falsificações, como rótulos, tampinhas e até o martelinho usado para fechar os engradados foram apreendidos.

O delegado Hilton Alonso definiu o local das falsificações como sendo “insalubre”.

O caminhão que fazia a entrega das cervejas adulteradas também foi apreendido. Ele foi pego quando um dos criminosos tentava vender as cervejas em um depósito. De acordo com o delegado responsável pelo caso, o dono do depósito também foi autuado em flagrante por receptação qualificada.

G1*

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.