23/05/2024
Campos

Obras do Bairro Legal do Esplanada prosseguem a todo vapor

A retomada das obras do Programa Bairro Legal, no Parque Esplanada, já muda o aspecto das ruas que estão passando por intervenções para construção de infraestrutura e urbanização. Máquinas e homens trabalham na escavação para construção das redes de coleta de água pluvial (águas das chuvas), construção da rede de coleta de esgoto, nova rede adutora de água potável e, ainda, obras de urbanização.

Além das obras de infraestrutura e da pavimentação das vias, o Bairro Legal também compreende construção de base e pavimentação ecológica com intertravados, construção de calçadas, instalação de equipamentos de iluminação pública, com novo sistema de luminárias de led.

A frente de obras gera 38 empregos diretos e indiretos e mobiliza diversas máquinas e caminhões, a saber: mini máquina retroescavadeira, pá carregadeira, máquina patrol (motoniveladora), caminhão pipa, caminhão caçamba e rolo compressor que faz a compactação e nivelamento dos intertravados.

As obras do Programa Bairro Legal foram iniciadas no final da gestão da então Prefeita Rosinha Garotinho e não tiveram continuidade na gestão passada. Das pouco mais de 30 ruas do Parque Esplanada, 16 ficaram faltando fazer as intervenções, cujas obras foram retomadas agora no mês de junho na atual gestão.

O secretário de Obras e Infraestrutura, Jorge Wílliam Cabral, explica que a pavimentação com intertravados (blocos fundidos com concreto especial em alta pressão) é de cunho ecológico, porque permite a permeabilização parcial das águas das chuvas intensas.

“A permeabilização de parte das águas evita saturação do sistema de drenagem e, além disso, permite que a água absorvida pelo solo contribua para amenizar a temperatura ambiente, haja vista que nos períodos prolongados de estiagens, com temperaturas elevadas, essa umidade guardada na base das ruas passe pelo processo da evapotranspiração e contribui para equilibrar a umidade do ar e amenizar a sensação de calor por causa da liberação de oxigênio”, explica Jorge Wílliam Cabral.

Fonte: Secom

Alerj

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *