19/07/2024
Política

MPRJ obtém o afastamento dos secretários de Administração e Saúde de Silva Jardim e a suspensão de contrato por suspeita de superfaturamento e fraude

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio da Promotoria de Justiça de Silva Jardim, obteve o afastamento dos secretários de Administração e Saúde de Silva Jardim, por suspeitas de superfaturamento e fraude no contrato celebrado entre a Secretaria Municipal de Saúde e a empresa AJE Serviços Técnicos e Especializados LTDA, para a manutenção preventiva e corretiva de equipamentos hospitalares das unidades de saúde municipais. Além do afastamento, foi determinada a imediata suspensão do contrato, em razão das irregularidades encontradas.

As investigações demonstraram que o município, por meio das secretarias de Administração e de Saúde, celebrou dois contratos para a prestação dos serviços. Enquanto no primeiro o valor pago pelos cofres públicos foi de R$ 148.751,28, no segundo o montante pactuado foi de R$1.423.143,26, quase dez vezes mais do que o primeiro. Apesar de tal discrepância de preços, a própria secretária de Saúde confirmou que, na prática, não havia diferença nas execuções dos dois contratos.

Assim, na manhã desta quarta-feira (12/07), com o apoio da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ), foram cumpridos mandados de busca e apreensão na Prefeitura de Silva Jardim, nas residências dos secretários envolvidos, na sede da empresa AJE Serviços Técnicos e Especializados, bem como na casa de seu sócio, sendo arrecadados meios de prova para o prosseguimento das investigações.

Durante o cumprimento da diligência na residência do secretário de Administração, também foram encontradas armas de fogo, razão pela qual o mesmo foi conduzido para a delegacia. Já na casa da secretária de Saúde, seu marido foi levado até a unidade policial por tentar embaraçar o cumprimento da ordem judicial, escondendo dispositivos eletrônicos em seus bolsos, mesmos após terem sido arrecadados, além de ter se comunicado com outras pessoas durante as buscas, informando em tempo real o que estava acontecendo.

Fonte: Por MPRJ

Alerj

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *