19/06/2024
Polícia

GAECO/MPRJ e Polícia Civil prendem denunciados pelo homicídio de jornalista e vereador em Maricá

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, por meio do Grupo de Atuação Especializada no Combate ao Crime Organizado (GAECO/MPRJ), e a Polícia Civil, por meio da Delegacia de Homicídios (DHNSG), cumprem, na manhã desta quinta-feira (24/08), três mandados de prisão e quatro de busca e apreensão contra os autores de quatro homicídios no Município de Maricá. Os mandados foram obtidos junto à Vara Criminal da Comarca de Maricá, após as denúncias oferecidas pelo GAECO/MPRJ terem sido recebidas pelo Juízo. A operação conta com o apoio da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ). Rodrigo José Barbosa da Silva e Vanessa da Matta Andrade foram presos. Davi de Souza Esteves segue foragido.

De acordo com as investigações, Rodrigo José Barbosa da Silva foi denunciado por ter sido o executor do homicídio do jornalista Romário da Silva Barros, do então vereador Ismael Breve de Marins, de Thiago André Marins de Marins e Sidnei da Silva, todos ocorridos em 2019. Também foram denunciados Davi de Souza Esteves e Vanessa da Matta Andrade, apontados como coautores de dois dos crimes.

Segundo a denúncia, o homicídio do jornalista Romário da Silva Barros foi cometido por motivo torpe, em razão da notória atividade de jornalismo investigativo desempenhada pela vítima no Município de Maricá. O crime também foi praticado mediante recurso que dificultou a defesa da vítima, já que os denunciados Rodrigo e Davi estavam “de campana” aguardando Romário voltar de sua caminhada, momento em que a vítima foi surpreendida por disparos de arma de fogo, sem possibilidade de reação.

O homicídio de Sidnei da Silva foi cometido por vingança em razão de uma discussão ocorrida em via pública, poucos dias antes do crime, entre a vítima e a sua ex-cunhada, esposa do acusado Rodrigo. Já o homicídio de Thiago André Marins de Marins foi cometido em razão da existência de um permanente conflito familiar e financeiro entre a vítima e a sua ex-companheira, Vanessa da Matta Andrade, apontada como mandante do crime. Já Ismael Breve de Marins foi executado logo após como “queima de arquivo”, por ter presenciado o homicídio do seu filho Thiago.

Por MPRJ

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *