Comissão da Alerj decide suspender prazo de 10 sessões da defesa do impeachment de Witzel

A Comissão Especial da Assembleias Legislativa do Rio (Alerj) que analisa o pedido de impeachment do governador Wilson Witzel (PSC) decidiu suspender o prazo de 10 sessões da defesa que começaria a ser contado na sessão plenária desta quarta-feira (24).

Na primeira reunião da comissão, os deputados decidiram esperar a íntegra dos inquéritos das Operações Favorito e Placebo que apuram irregularidades na Saúde do Rio de Janeiro. A proposta de adiamento foi feita pelo relator, Rodrigo Bacellar (Solidariedade).

A votação foi aprovada por 24 dos 25 deputados que integram a comissão. O deputado Marcos Abrahão (Avante) estava ausente.

Mais cedo, a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) voltou atrás e decidiu transmitir a primeira sessão da comissão especial de impeachment do governador.

A Comissão Especial da Assembleias Legislativa do Rio (Alerj) que analisa o pedido de impeachment do governador Wilson Witzel (PSC) decidiu suspender o prazo de 10 sessões da defesa que começaria a ser contado na sessão plenária desta quarta-feira (24).

Na primeira reunião da comissão, os deputados decidiram esperar a íntegra dos inquéritos das Operações Favorito e Placebo que apuram irregularidades na Saúde do Rio de Janeiro. A proposta de adiamento foi feita pelo relator, Rodrigo Bacellar (Solidariedade).

A votação foi aprovada por 24 dos 25 deputados que integram a comissão. O deputado Marcos Abrahão (Avante) estava ausente.

Mais cedo, a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) voltou atrás e decidiu transmitir a primeira sessão da comissão especial de impeachment do governador.

Em etapa protocolar, o governador Wilson Witzel (PSC) foi citado, oficialmente, na terça-feira (23) sobre o impeachment.

Witzel é citado e pede suspensão

Antes de receber “ato de citação” pela Procuradoria da Alerj, Peixinho entregou à Casa um pedido para que o processo de impeachment aceito pelos parlamentares fosse suspenso. Na alegação, são apresentados, principalmente, dois motivos para a interrupção do processo:

  1. Não foram incluídos na denúncia os documentos dos inquéritos no Superior Tribunal de Justiça que envolvem Wilson Witzel – e que embasam o pedido de impedimento do governador.
  2. O rito não foi definido formalmente.

Em nota, a Alerj informou que o pedido de suspensão de prazos e esclarecimento do rito seria encaminhado à Procuradoria da Casa. Depois, a própria Procuradoria irá emitir parecer sobre a solicitação.

Comissão Especial

No dia 15 deste mês, foram definidos os nomes dos 25 deputados da comissão especial responsáveis pela análise da denúncia contra o governador.

Agora que a defesa de Witzel recebeu uma cópia do documento, o governador terá um prazo de até dez sessões da Alerj para apresentar a defesa no processo.

Após a apresentação da defesa, a comissão terá cinco sessões para apresentar um parecer final sobre a questão. Caso a defesa não se manifeste até a conclusão das dez sessões, de qualquer forma um parecer deverá ser emitido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *