Cidadania declara apoio a Lula no segundo turno - Tribuna NF

Cidadania declara apoio a Lula no segundo turno

IPTU - Prefeitura de Campos dos Goytacazes

O Cidadania anunciou nesta terça-feira (4) apoio do partido ao candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, no segundo turno da disputa pela Presidência da República.

A decisão de dar apoio ao petista contra o presidente Jair Bolsonaro, candidato do PL à reeleição, foi tomada em uma reunião da Executiva do Cidadania.

“[A Executiva] decidiu pelo apoio ao candidato do PT no segundo turno. Uma decisão que foi quase por unanimidade. Tivemos três votos defendendo neutralidade. E unanimidade contra Bolsonaro”, declarou Roberto Freire, presidente do Cidadania.

“Bolsonaro, nesses quatro anos, demonstrou o seu total desrespeito às instituições democráticas. Por causa de todo esse risco, vamos votar no número 13”, completou.

O presidente do Cidadania já havia declarado apoio pessoal à candidatura de Lula na última segunda-feira (3).

Após o anúncio da Executiva do Cidadania feito por Roberto Freire, o líder do partido na Câmara, Alex Manente (Cidadania-SP), divulgou nota em que diz não endossar a posição da cúpula da legenda. Manente afirmou defender uma posição de “neutralidade” na segunda rodada da disputa.

O segundo turno das eleições de 2022 será disputado entre Lula, que no primeiro turno obteve 48,4% dos votos válidos, e o presidente Jair Bolsonaro (PL), que tenta a reeleição e ficou com 43,2%. A votação será no próximo dia 30.

No primeiro turno, o Cidadania apoiou a candidata derrotada do MDB à Presidência, Simone Tebet, que ficou em terceiro lugar com 4,16% dos votos válidos.

‘Afastar qualquer risco’

Durante entrevista em Brasília, Roberto Freire disse que na reunião chegou a ser levantada a hipótese de o Cidadania declarar “apoio crítico” ao candidato do PT. No entanto, a ideia foi rejeitada.

“Tenho muita clareza de que precisamos vencer as eleições pra afastar qualquer risco futuro às liberdades”, disse Freire.

Questionado se a declaração de apoio é uma sinalização de que o Cidadania poderá integrar um eventual governo Lula, Freire declarou: “Não. Trata-se de um voto em segundo turno nas eleições presidenciais.”

G1*

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *