Caso Flordelis: presidente da Câmara diz que cassação de deputada entra em pauta esta semana

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou na manhã desta segunda-feira que colocará em pauta nesta semana a cassação do mandato da deputada federal pelo Rio de Janeiro, Flordelis dos Santos de Souza (PSD-RJ).

– Temos uma semana intensa com (a votação da) reforma tributária, com a pauta da cassação ou não da deputada Flordelis (e) com o preparativo de outras matérias importantes – afirmou Lira, em entrevista à Rádio CBN.

De acordo com o colunista Lauro Jardim, a votação deverá acontecer na quarta-feira; e, no alto comando da Câmara, não há dúvida de que o plenário votará pela cassação de Flordelis.

Acusada de ser a mandante

A votação será no plenário da Casa. A decisão sobre a peda do mandato precisa obter a maioria absoluta dos votos dos deputados — 257 dos 513 parlamentares. No início de junho, o Conselho de Ética da Câmara decidiu, por 16 votos a 1, pela cassação do mandato da pastora. Flordelis é acusada pelo Ministério Público do Estado (MPRJ) e pela Polícia Civil de ser a mandante do assassinato do marido, o pastor Anderson do Carmo, em 2019. Ela nega veementemente.

Procurada, a defesa de Flordelis ainda não se manifestou.

Em junho, os deputados aprovaram o relatório do deputado Alexandre Leite (DEM-MG). Flordelis foi indiciada pela Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo, Itaboraí e Maricá (DHNSGI) e denunciada por homicídio triplamente qualificado, por motivo torpe, emprego de meio cruel e de recurso que impossibilitou a defesa do marido. A pastora evangélica também responde por falsidade ideológica, uso de documento falso e organização criminosa.

Durante a audiência do Conselho de Ética, Flordelis chegou a pedir aos parlamentares um “julgamento digno” e voltou a alegar ser inocente da morte do pastor Anderson do Carmo em 16 de junho de 2019, atingido por mais de 30 tiros na garagem da casa em Pendotiba, em Niterói,. onde morava com a deputada e os filhos.

– Mesmo que não acreditem em mim e na minha inocência, peço que me permitam um julgamento digno. Eu não matei meu marido, eu não matei ou mandei matar o pastor Anderson do Carmo – disse Flordelis na ocasião.

O relator do pedido de cassação da parlamentar votou pela punição máxima à deputada: a perda de sua mandato. Ao apresentar seu voto, Alexandre Leite disse:

– O que a gente percebe é que essa versão de pessoa generosa, afetuosa, religiosa, altruísta (de Flordelis), foi descortinada para dar lugar a uma personalidade desvirtuada, perigosa e manipuladora. E, por isso, voto pela perda do mandato da deputada, tendo em vista que a representada tem um modo de vida inclinado para práticas de conduta não condizentes com o que se espera de um representante do povo – diz o parlamentar mineiro em seu voto.

Flordelis não foi presa em razão da imunidade parlamentar. Ela é monitorada por uma tornozeleira eletrônica.

O Globo*

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *