16/06/2024
Política

Presidente do TJ-RJ investigará juízes por vazamento de investigações

O presidente do TJ do Rio, desembargador Cláudio de Mello Tavares, abriu hoje sindicância contra dois de seus juízes assessores por vazamento de investigações sigilosas. Os magistrados Luiz Mello Serra e Eduardo Canabarro são acusados de enviar ao juiz João Amorim Franco documentos sigilosos de inquérito que o investiga por venda de sentença.

Os dois assessores da Presidência do TJ do Rio também serão investigados pela Corregedoria do tribunal, pelo mesmo motivo, informa O Antagonista.

De acordo com a portaria de instauração das investigações na Corregedoria, foi o juiz João Amorim quem disse a investigadores do Ministério Público ter conseguido acesso à investigação por meio do “dr Canabarro”, um dos assessores da Presidência do TJ.

O juiz foi delatado na Operação Erga Omnes, desdobramento da Lava Jato no Rio, por cobrar de empresas para julgar em seu favor. A Corregedoria do TJ-RJ também investiga o atraso no andamento de ações judiciais, para saber se ele travou o andamento de processos de propósito – segundo as apurações, os casos discutem mais de R$ 260 milhões.

Segundo a portaria de instauração da sindicância pelo presidente do TJ, ambos os juízes assessores negam ter vazado qualquer documento a João Amorim. Agora serão ouvidas testemunhas e colhidos depoimentos para averiguar o caso.

Leia também: Corregedoria do TJ-RJ investiga paralisação em processos de execução fiscal que já beiram R$ 260 milhões

Comente