Mulher que matou empresária com estilete após briga de trânsito é condenada a 20 anos

Após quase 12 horas de julgamento, o Conselho de Sentença do Tribunal do Júri de Macaé condenou, por homicídio qualificado, Islay Cristina Pereira de Souza à pena de 20 anos, em regime inicial fechado, pela morte da empresária Raquel Melo Mota, atingida por golpes de estilete desferido pela ré. O crime aconteceu em novembro de 2017 em um condomínio na Ilha da Caieira, em Macaé, após discussão no trânsito iniciada no centro do município da Região dos Lagos do estado.

“As circunstâncias do crime são graves e aumentam a reprovabilidade da conduta criminosa, pois a acusada perseguiu a vítima por relevante distância, até seu condomínio, saiu do veículo de posse do estilete e buscou, a todo o momento, o embate”, destacou na sentença o juiz Wycliffe de Melo Couto, que presidiu o júri.

O magistrado também lembrou o fato de Islay , embora tivesse a oportunidade, não ter desistido de cometer o crime.

“Restou demonstrado, diante da dinâmica delitiva, que a acusada teve todas as chances de evitar o resultado mais gravoso, vez que não precisava seguir a vítima até seu condomínio, muito menos sacar o estilete, já que ela não gerava risco, e que foi alertada pelo porteiro para sair do local, mas preferiu seguir no seu intento criminoso”, ressaltou.

Na sentença, o magistrado também negou a possibilidade da ré recorrer da decisão em liberdade.

“Some-se, ainda, que a acusada tem histórico de violência, fugiu para outro estado da federação após a prática criminosa e é natural de outro estado, tudo isso a evidenciar a sua periculosidade, o risco real de reiteração delitiva e a possibilidade concreta de se tonar ineficaz a aplicação da Lei Penal.

De sua opinião