Dr. Adriano vence eleição suplementar para prefeitura de Cabo Frio

O candidato Dr. Adriano (REDE) venceu a eleição suplementar para prefeito de Cabo Frio, na Região dos Lagos do Rio, neste domingo (24). Ele teve 34.529 votos, ou seja, 68,58% dos votos válidos. Rafael Peçanha (Coligação Coragem para Mudar) ficou em segundo lugar com 14.113 votos, seguido de Leonardo Cunha (PSOL), com 1.068 votos.

A apuração dos votos das 420 seções eleitorais, distribuídas em 60 pontos de votação, terminou às 20h53, segundo a última atualização dos resultados pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ). Ainda de acordo com os dados do TRE-RJ, dos 145.158 eleitores, compareceram 95.348 e se abstiveram 49.810 (34,31%).

“Nós queremos ser um governo técnico e transparente. Acredito que não tenho motivo para comemorar muito, porque tenho muito trabalho para fazer. Temos que colocar Cabo Frio nos trilhos. Hoje nós estamos dando o nosso primeiro passo para desenvolver a nossa cidade”, disse Dr. Adriano logo após vencer as eleições.

Concorreram ao cargo de prefeito de Cabo Frio: Cristiane Fernandes (PSDB); Carlão (PHS); Dr. Adriano (Coligação Mudança Verdadeira); Leandro Cunha (PSOL); Marquinho Mendes (Coligação Cabo Frio Não Pode Parar) e Rafael Peçanha (Coligação ‘Coragem para Mudar’).

Confira os resultados

Dr. Adriano (REDE) – 34.529 votos
Rafael Peçanha (PDT)- 14.113 votos
Leandro Cunha (PSOL) – 1.068 votos
Carlão (PHS) – 638 votos
Marquinho Mendes (MDB) – 0 votos (*Os 32.187 votos recebidos foram anulados devido à situação jurídica, em condição de recurso).
Cristiane Fernandes (PSDB) – 0 votos (*Os 1.419 votos recebidos foram anulados devido à situação jurídica, em condição de recurso).

Marquinho Mendes e Cristiane Fernandes: apesar de terem tido os votos computados, os resultados dos dois apareceram zerados na apuração do TRE-RJ. Isso ocorreu porque eles tiveram os registros de candidatura indeferidos pelo TRE. Eles entraram com recurso em segunda instância, mas os indeferimentos foram mantidos, restando ainda a possibilidade de recursos no Tribunal Superiro Eleitoral, em Brasília.

Eleição Suplementar

A eleição suplementar foi convocada pelo TRE-RJ depois que o então prefeito, Marquinho Mendes (MDB), teve o registro de candidatura cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) por abuso de poder econômico e político. A cassação foi no fim de abril.

A cidade é administrada por Aquiles Barreto (Solidariedade) desde 10 de maio, quando foi notificado pelo Tribunal Regional Eleitoral.

Fonte: G1

De sua opinião