Polícia detém duas pessoas na casa da deputada Flordelis

Rio – A Polícia Civil deteve, na noite desta terça-feira, um homem e uma mulher na casa da deputada federal Flordelis (PSD) e a dupla foi encaminhada para a Delegacia de Homicídios de Niterói, São Gonçalo e Itaboraí (DHNSGI). De acordo com as primeiras informações, eles podem ter participado do assassinato do pastor Anderson Carmo de Souza, 42 anos. Durante quase cinco horas, os agentes da DHNSGI e do Ministério Público vasculharam a casa da parlamentar atrás do celular do pastor, mas o aparelho não foi encontrado. Nas próximas horas, conforme a polícia, o caso deve ser solucionado.

Buscas por celular

Duas viaturas entraram na residência de Flordelis à tarde. A parlamentar acompanhou as buscas, que também são realizadas na Comunidade Evangélica Ministério Flordelis-Cidade do Fogo, no Colubandê, em São Gonçalo, onde o religioso realizava os cultos.

A equipe da DHNSGI que foi à igreja de Flordelis, comandada pelo delegado Gabriel Poiava, chegou à sede da especializada as 16h30 carregando dois envelopes pardos com produtos apreendidos no local. O celular do pastor Anderson do Carmo não foi entregue à especializada. O aparelho, que seria levado por Flordelis, teria desaparecido. A investigação quer ter acesso ao telefone, que pode ajudar a elucidar o crime.

Anderson foi morto na madrugada de domingo, quando havia acabado de chegar em casa com a mulher, a deputada federal, em Niterói, na Região Metropolitana do estado. Ele foi alvo de bandidos que disparam mais de 10 tiros contra ele. Até então, dois filhos do casal foram presos suspeitos de participação no crime. Um deles confessou que participou da morte do pai a mando o irmão.

Durante toda a manhã desta terça, a delegada Bárbara Lomba colheu depoimentos sobre o caso. Ao todo, sete pessoas foram ouvidas. às 14h, Bárbara deixou a sede da especializada, em Niterói, para fazer uma diligência sobre o caso.

O promotor Sérgio Luís Lopes Pereira ficou por três horas com a delegada conversando sobre o caso. Ao sair da DHNSGI, Pereira carregava um envelope com a palavra ‘sigiloso’ disse que está no caso a pedido de uma colega promotora de Niterói. Ninguém informou detalhes do mandado.

O Dia*

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: