O persuasivo empresário do lixo de Macaé

Foto: Paulo Moraes entre dois cabos eleitorais em Campos dos Goytacazes-RJ/2016-Portal VIU!

Com Portal VIU! (aqui)

O serviço de inteligência da Polícia Federal deveria acompanhar detidamente a desenvoltura de Paulo Moraes, notório empresário do lixo e com forte poder de sedução entre vereadores de algumas cidades do interior do Estado do Rio. Negócio de lixo e político em ano eleitoral não costuma cheirar bem.

Moraes é proprietário da construtora Zadar e pai do deputado André Lazaroni (MDB), aquele ex-secretário de Cultura patético, que ficou conhecido nacionalmente ao confundir Bertoldo Brecha (personagem da Escolinha do Professor Raimundo), com o dramaturgo Bertold Brecht. CONFIRA:

Integrante da bancada do encrencado Jorge Picciani na Alerj, este ano Lazaroni decidiu disputar um mandato na Câmara Federal, mas as pesquisas eleitorais têm demonstrado que a população está cada vez mais indiferente ao processo eleitoral, principalmente na Região Metropolitana. Com isso, o deputado tenta garimpar votos no interior, especialmente na cidade de Macaé-RJ, no Norte Fluminense.

O ambiente na política miúda desta cidade pode compensar a retraída na capital. Foi em Macaé, em governo anteriores a atual gestão, que o “papito” Paulo Moraes foi rei. Na época chegou a exercer comando sobre uma bancada de 11 vereadores. Com uma impressionante obediência, tornou-se conhecida como a bancada do PM. Na atual legislatura o poder não é o mesmo, mas, pelas contas dos observadores, o senhor PM ainda comanda uma bancada de 6 parlamentares. Todos, obviamente, com o pragmatismo levado aos extremos.

De sua opinião