Intervenção entrega 700 novas armas para a Segurança do RJ

O Gabinete de Intervenção Federal entregou, na manhã desta quinta-feira (18), 700 armas aos órgãos de segurança pública do Estado do Rio – são 200 carabinas calibre 12 para a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) e 500 fuzis 5.56 para a Polícia Militar (PM). O arsenal custou R$ 780 mil.

A entrega foi feita durante cerimônia realizada no Comando Militar do Leste, no Centro da cidade. O interventor federal, general Braga Netto, e o governador do Estado do Rio, Luiz Fernando Pezão, participaram da cerimônia.

“Queremos recuperar a capacidade operacional dos órgãos de segurança do Estado. Isso é parte do nosso planejamento”, disse o general Braga Netto.

Carabinas que vão para agentes penitenciários — Foto: Carlos Brito/G1

Carabinas que vão para agentes penitenciários — Foto: Carlos Brito/G1

Pezão defendeu a continuidade da intervenção na segurança do Rio.

“A intervenção é aprovada por 72% da população. Se eu estivesse concorrendo nessas eleições, não deixaria essa parceria acabar. Os resultados são muito bons – os índices de criminalidade estão caindo”, disse o governador.

Fuzis serão repassados pelo Gabinete da Intervenção às polícias — Foto: Carlos Brito

Fuzis serão repassados pelo Gabinete da Intervenção às polícias — Foto: Carlos Brito

De forma indireta e sem citar nomes, Pezão criticou a proposta do candidato do PSC ao governo do estado, Wilson Witzel, de acabar com a Secretaria de Segurança Pública, transformando as próprias polícias Civil e Militar em secretarias.

“Lamento muito ouvir que querem acabar com a Secretaria de Segurança. Se eu for ouvido pelo meu sucessor, vou pedir muito para que ele continue com essa integração. Acho lamentável acabar com a secretaria, considero um retrocesso. Pode ser que eles vejam o que a gente não conseguiu ver, mas isso não existe em nenhum estado do país”, avaliou Pezão.

Porta-voz do Gabinete de Intervenção Federal, o coronel Carlos Cinelli disse que gostaria de aumentar o ritmo de entrega de armas para as forças estaduais, mas a intervenção segue um processo rigoroso de licitação para evitar questionamentos por tribunais fiscalizadores.

“Queríamos que a velocidade de entrega fosse mais alta, mas a entrega deste lote simboliza um aumento desse ritmo. E é bom deixar claro que o que não puder ser entregue ainda em 2018, será entregue no ano que vem. A intervenção faz um trabalho de mapeamento das armas utilizadas por cada força de segurança do Rio para que cada uma delas receba o armamento adequado e necessário”, explicou Cinelli.

Fonte: G1

De sua opinião