Estelionatários aplicam golpe em idosos fingindo ser da central de segurança de cartões de banco

No Rio de Janeiro, bandidos estão conseguindo enganar, principalmente idosos, dizendo que são da central de segurança do banco. Para aplicar o golpe, uma pessoa da quadrilha chega a ir até a casa dos “clientes” de moto e busca os cartões.

Um idoso, vítima dessa quadrilha se assustou ao perceber que tinha uma dívida de quase R$ 14 mil reais nos cartões de crédito.

“Fiquei alucinado porque o meu perfil de compras é em torno de R$ 500 e tinha uma compra de R$ 9 mil em um cartão e R$ 5 mil no outro. R$ 14 mil eu enlouqueci”, disse o idoso.

A vítima recebeu um telefonema no dia 5 de julho. Os bandidos se identificaram como sendo da central de segurança dos cartões de crédito e falaram que os cartões estavam sendo utilizados indevidamente.

Os bandidos orientaram a vítima a ligar para o número que fica atrás do cartão. O idoso ligou e quem atendeu foram os bandidos.

“Quando eu falei em bloquear os cartões eles pediram: ‘vamos fazer uma conferência aqui primeiro, pra efeito de segurança’. Sabiam todos os meus dados pessoais: identidade, CPF, filiação e todas as minhas compras nos dois cartões. Uma a uma. Eles foram falando e eu disse, ‘essa eu comprei, essa eu comprei’, tudo bem. Eles disseram ‘vou transferir pra bloquear os cartões’. Transferiram a ligação, claro que era gravação, e eu digitei os números dos cartões e as senhas”, disse o idoso.

De acordo com a vítima, os bandidos disseram que “estava tudo bem” e, fingindo ser da central de segurança do cartão, que estavam fazendo investigações com as polícias Civil e Federal. Os bandidos orientaram o idoso a entregar o cartão e disseram que ele poderia até entrega-lo cortado.

“É uma quadrilha que está agindo em São Paulo e Rio, se o senhor puder nos entregar o cartão, o senhor pode cortar no meio o cartão e tudo, eu mando apanhar, é mais fácil a gente ir nas lojas, saber direitinho o que que aconteceu para investigar. Eu falei: ‘tudo bem’. ’O senhor faz uma declaração, dizendo que o senhor não gastou nada’”, explicou a vítima.

“O motoboy veio, eu cortei os cartões, fiz a declaração, botei num envelope, desci. Pedi a carteira, pedi o CPF, conferi o nome que eles tinham me dado e entreguei para o motoboy. Mas cortei em quatro partes do cartão, não cortei em duas não, mas não sei se peguei o chip, não me recordo. Entreguei e foi-se o cartão”, completou.

No golpe do motoboy, as compras foram feitas com dois cartões de crédito de bancos diferentes. Um dos bancos disse que vai devolver o valor gasto pelos bandidos, mas o outro banco ainda está analisando se vai ou não estornar o prejuízo.

Os idosos são as vítimas preferidas das quadrilhas que aplicam esse tipo de golpe, mas, a todo momento, os estelionatários inventam uma nova forma pra enganar as vítimas.

Dicas para não cair no golpe

  • Nunca fornecer a senha para estranhos e sempre procurar a polícia
  • Em caso de dúvida, tente falar apenas com os números do próprio banco ou falar com a gerente da agência
  • Sempre que alguém oferecer muita vantagem com títulos de empresas ou bilhetes de loteria, desconfie.

Dados do Instituto de Segurança Pública (ISP) mostram que os números de estelionatos aumentaram em todo o estado.

De janeiro a julho do ano passado, foram mais de 15 mil casos. (15.733). No mesmo período desse ano, já são mais de 19 mil. (19.535).

A Polícia Civil informou que, por enquanto, não pode dar mais informações sobre as investigações, mas que está fazendo diligências para apurar o caso.

A Federação Brasileira de Bancos explicou que os bancos investem dois bilhões de reais por ano em sistemas de tecnologia da informação, voltados para a segurança, e que mantêm equipes de especialistas pra identificar situações que fujam dos comportamentos dos clientes.

G1*

De sua opinião