Estatal de armas espera aumento de 10% nas vendas ao setor privado

A Indústria de Material Bélico do Brasil ( Imbel ), estatal de armas vinculada ao Comando do Exército, estima um aumento de 10% nas vendas de arma ao mercado privado em decorrência do decreto assinado nesta terça-feira pelo presidente Jair Bolsonaro . Uma das 18 empresas estatais dependentes do Tesouro Nacional, a Imbel registrou faturamento recorde no ano passado (de R$ 175 milhões, 17% a mais do que em 2017), e aguarda novas medidas destinadas a incrementar os segmentos de defesa nacional e segurança pública para planejar aumento na produção. Atualmente, o mercado privado responde por 36% das vendas. Defesa e segurança correspondem a 32% cada.

— Nossa meta é conquistar sustentabilidade, gerar recursos para investimentos e sair da dependência do governo — afirma Marcel Muniz, responsável pela comunicação da Imbel.

A empresa passou a ser dependente do Tesouro Nacional em 2008. Com finalidade principal de prover as Forças Armadas, a Imbel sofreu com o contingenciamento de verbas públicas e entrou em situação financeira crítica. Atualmente, é considerada de baixo grau de dependência. Agora, com a sinalização de valorizar as Forças Armadas dada pelo presidente, a estatal espera por aumento de encomendas, principalmente do Exército, da Força Nacional (ligada agora ao Ministério da Justiça), e das secretarias de segurança dos estados.

No mercado de armas, a estatal é reconhecida pela fabricação de armas de alta precisão e resistência, destinadas a clientes institucionais. Com cinco fábricas — a de armas fica em Itajubá, Minas Gerais — a Imbel fabrica também explosivos e atende ao mercado de atiradores credenciados pelo Exército, conhecidos pela sigla CAC, que reúne colecionadores, atiradores e caçadores. O mercado privado de explosivos é formado por mineradoras, construtoras e empreiteiras de obras públicas.

Segundo Muniz, o maior crescimento em 2018 ocorreu na demanda por explosivos, mas a expectativa pela flexibilização da posse e porte de armas refletiu também no setor de armas.

A empresa atingiu em 2018 recorde na produção de explosivos, passando de 766 mil quilos para 1 milhão de quilos (o mercado não utiliza a medida de toneladas). O recorde foi batido na fábrica de Piquete, no Vale do Paraíba, em São Paulo, mas a empresa tem também uma unidade em Magé (RJ).

O carro-chefe para o mercado privado são as pistolas .380, mas a Imbel não informa a quantidade de armas comercializadas.

Estratégia

A estatal tem, desde 2015, um plano estratégico para deixar de ser dependente do Tesouro Nacional. A iniciativa implica na modernização das fábricas e desenvolvimento de projetos em convênio com outras empresas. Por meio do Centro Tecnológico do Exército Brasileiro (Cetex), a Ibel participou do convênio com a Gespi, que desde 2012 tem 40% de seu capital nas mãos da israelense Rafael, uma das maiores empresas de segurança de Israel. Na época, e Imbel fez o carregamento da munição para um tipo de armamento antitanque, destinado ao mercado externo. Segundo Muniz, a participação, na época, foi o carregamento de 150 granadas com explosivo.

A empresa também participa junto com o Cetex, por meio de convênio, para desenvolvimento de rádios de comunicação militares, em parceria com a Rohde & Schwarz, com sede na Alemanha, uma das maiores empresas do mundo de tecnologia da informação e comunicação.

A Imbel não exportou nos últimos anos, mas tem uma parceira com a empresa MacJee, do setor de defesa, cuja meta é intermediar vendas para o mercado internacional. Os negócios, porém, só poderão ser concretizados com a anuência dos Ministérios da Defesa e das Relações Exteriores.

Entre as 18 estatais dependentes do Tesouro Nacional, a Imbel tem a média de remuneração mais baixa, de R$ 2.200 — a segunda mais baixa é a CPTU, com R$ 6,6 mil. No total, emprega 2 mil funcionários, incluindo a sede, que fica em Brasília. O maior efetivo (600 pessoas) fica na fábrica de Itajubá.

Nomes importantes do governo Bolsonaro acompanham o desenvolvimento da Imbel. O general Augusto Heleno, por exemplo, já chefiou o Departamento de Ciência e Tecnologia do Exército e sempre defendeu que a estatal estava capacitada tecnicamente para desenvolver equipamentos de ponta para o setor de defesa. O general Aléssio Ribeiro Souto, integrante da equipe que desenhou o plano de governo de Bolsonaro, já foi chefe do Centro Tecnológico do Exército e Assessor Especial do Departamento de Ciência e Tecnologia para Assuntos da Imbel no Ministério da Ciência e Tecnologia.

Fonte: Extra

De sua opinião