Detran-RJ incia prensagem de veículos

O Detran.RJ já iniciou o processo de prensagem de 1.450 veículos, classificados como inservíveis, que estão em seu depósito no bairro de Campo Grande, na zona oeste do Rio de Janeiro. Com peso estimado em 686.655 kg de material ferroso, o lote foi leiloado no último dia 6 de maio e adquirido pela empresa MJ Reciclagem Ldta. Cada quilo foi arrematado pelo valor R$ 0,70/Kg, gerando receita de R$ 480.658,50.

A empresa tem 90 dias, renováveis por mais 90, para completar o processo de prensagem e esvaziar o depósito. A limpeza do local é uma metas da direção do Detran.RJ, que encontrou os pátios de veículos, no início do ano, em situação caótica: abandonados, estavam sem manutenção e sem segurança adequadas.

– Esses espaços podem ser bastante prejudiciais ao meio ambiente, já que o descarte incorreto dos veículos gera impacto negativo à natureza e ainda podem se tornar focos de proliferação de mosquitos, como o Aedes agypti. Além disso, não é mais viável mantê-los, do ponto de vista financeiro. Nosso objetivo é esvaziar os depósitos e desativá-los – explica o vice-presidente do Detran.RJ, Marcelo Bertolucci, responsável pela administração dos pátios.

O procedimento de prensagem, que será realizado pela empresa MJ Reciclagem sob a supervisão do Detran.RJ, tem seis etapas e é inteiramente feito no local em que os veículos se encontram. Primeiro, são retirados a bateria, cilindro de GNV, extintor de incêndio e demais equipamentos que possam causar acidentes ou danos ao meio ambiente. Em seguida, ocorre a descontaminação, com a remoção dos filtros de óleo, combustível do veículo, óleo lubrificante do reservatório do motor (cárter), óleo hidráulico do sistema de freio e do sistema de direção, gases do ar condicionado e demais fluidos contaminantes. Esse material é coletado em recipientes adequados e é encaminhado, posteriormente, para centros de reciclagem.

Na fase posterior, o veículo é descaracterizado. É feita a destruição (prensagem/trituração) da estrutura do monobloco, carroceria ou chassis, de maneira a não permitir a reutilização de nenhum de seus componentes. O material é, então, pesado e, a partir daí pode ser comercializado como material ferroso, pela empresa MJ Reciclagem. Após a compactação, a área utilizada deve ser inteiramente limpa.

Todas as unidades leiloadas no início de maio foram apreendidas em operações do departamento de trânsito e não foram reivindicadas por seus proprietários no prazo legal de 60 dias (determinado pelo artigo 328 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB)).

Foi o segundo leilão realizado pelo Detran.RJ em 2019. No início de março, a siderúrgica Gerdau adquiriu lote único de 765 veículos, com cerca de 400 toneladas, por R$ 213 mil. Esse leilão vai permitir a liberação do Pátio legal, que, havia dois anos não conseguia efetivar a venda por questões administrativas de gestões passadas.

O Detran.RJ pretende realizar mais vendas ainda no primeiro semestre, para liberar os outros três depósitos que mantém: Santa Cruz da Serra, Niterói e Japeri. Todos estão superlotados e a determinação da atual gestão é esvaziar e limpar os terrenos.

Fonte: ascom

De sua opinião