Abuso, rixa entre as igrejas e até crime político: surgem teses do caso Flordelis

São Paulo – Desde o dia 16 de junho, data da morte do pastor Anderson do Carmo, o nome da deputada Flordelis não sai dos noticiários. Com a investigação da Delegacia de Homicídios de Niterói correndo em sigilo, os ‘pontos soltos’ do caso seguem sendo questionados. Um dos principais é a real motivação da execução do marido da parlamentar, o que faz com que diversas teses comecem a aparecer.

Segundo informações apuradas pelo jornal Folha de São Paulo, pessoas ligadas à frente evangélica citaram um possível abuso infantil, envolvendo um dos 55 filhos do casal, rixas com igrejas vizinhas ao Ministério Flordelis , que era comandado por Anderson, e até um possível crime político, já que o pastor reorganizava a estrutura do PSD e já se falava na hipótese de Flordelis concorrer à Prefeitura de São Gonçalo em 2020, como possíveis motivações.

Até o momento, o que se sabe é que dois dos filhos da parlamentar, Flávio e Lucas dos Santos, foram presos pela polícia, suspeitos de serem os autores do crime. Em depoimento, Flávio chegou a assumir a autoria do assassinato, mas voltou atrás após ser orientado por seu advogado.

Já Flordelis, que acusou o filho Lucas de ser o autor dos disparos que mataram o marido, se mantém reclusa desde a última semana, quando sua assessoria divulgou uma mensagem de repúdio aos ataques que vinha recebendo e pelo fato de ter sido ” condenada antes mesmo de ter sido julgada”.

Nos próximos dias, os agentes que trabalham no caso tentarão resolver alguns destes pontos que ainda são desconhecidos na trama, com a motivação do crime entre eles. O retorno de laudos e perícias, além de uma reconstituição da noite da morte de Anderson, estão entre os próximos passos da investigação.

Fonte: IG

De sua opinião