A tragédia da empresa São Salvador

Opinião:

Nas postagens anteriores começamos a revelar a tragédia da empresa São Salvador. São inúmeras passagens.

A empresa São Salvador pelo contrato social tem como diretora dona Arlete, avó de Abinho. Era administrada com uma procuração ad negócios por José Renato Abdu Neme, que veio a falecer no inicio do ano. Quando José Renato era vivo a empresa sempre funcionou e atendia aos horários e as obrigações.

Apesar das dificuldades de saúde e de locomoção de José Renato era dele as melhores ideias que eram trazidas nas reuniões. A prova disso que depois do seu passamento até as outras empresas começaram a ter mais dificuldades com a ausência de José Renato.

Todo mundo sabe que o transporte coletivo de Campos não funciona porque o poder concedente (prefeitura) não dá tarifa para as empresas funcionarem de forma séria e não do faz de conta.

Ao tirar o subsidio da passagem social houve uma queda na demanda de passageiros. Nesse ponto podemos assegurar que as empresas precisam melhorar muito para ficar ruim, e a São Salvador é uma delas.

A empresa foi a que mais sofreu retaliações do poder concedente, leia-se Instituto Municipal de Trânsito e Transportes – IMTT.

A situação é tão grave que o IMTT mandou prender dois ônibus da viação São Salvador em 2016, e no ano de 2017 os dois veículos que são financiados pelo Fundecam foram leiloados pela Pátio Norte, naturalmente para pagar as diárias.

Confira detalhes sobre um dos veículos leiloados: Veiculo Ônibus VW/17230EOD Neobus Mega, placa KXS6151, Ano de Fabricação 2014 e Ano Modelo 2014, chassi 9532G82W7ER448416. Pode ser conferido no link:http://www.paulobotelholeiloeiro.com.br/leiloes/trt-campos-dos-goytacazes-30062017-e-14072017-706835/1212.

Na época o assunto foi divulgado, mas não se tem notícia de que a Procuradoria do Município tenha tomado qualquer providencia em relação ao patrimônio publico.

Agora surge esse escândalo com a saída de veículos que estão em posse da empresa, mas que como já dito são de propriedade do Fundecam, e foram comprados para servir a população da cidade de Campos, mas estranhamente oito veículos foram parar na cidade de Paraíba do Sul.

Não é a Campos Tur que tem negócios em Paraíba do Sul. É preciso saber quem mandou e abasteceu os oitos ônibus para sair de Campos para aquela cidade do Sul do estado, sem despertar a atenção de nenhuma autoridade de transito, ante aos problemas de documentos que os veículos possuem.

Derrota não tem explicação. Se o governo sabia da cessão dos veículos e não disse nada a questão fica muito pior. Pelas matérias trazidas por jornais ligados ao governo Rafael Diniz os ônibus foram e voltaram sozinhos.

Outra questão bastante constrangedora é a crise de identidade de quem manda na empresa. Todo mundo sabe que quem manda na São Salvador, atualmente, é o prospero empresário Abinho, neto de dona Arlete.

Segundo as noticias do portal da prefeitura à época, a São Salvador teve o financiamento de quarenta e três ônibus, tirando os dois que foram leiloados sobraram quarenta e um.

O IMTT, segundo a mídia chapa branca, fez uma fiscalização na empresa. Agora é aguardar para ver o relatório.

Não torcemos contra a São Salvador, muito pelo contrário. O que não podemos é aceitar a hipocrisia de alguns que recebem para esconder quem realmente manda na empresa.

De sua opinião